Podcasts PODCAST #178: Grandes Filmes: O BANDIDO DA LUZ VERMELHA

PODCAST #178: Grandes Filmes: O BANDIDO DA LUZ VERMELHA

Ouvir podcast

Baixar Podcast | Feed RSS | Assinar no iTunes | Publicado em 27/08/2016 às 00:00

Sobre este podcast:

 

Instale o App do Podcast Cinema em Cena em seu smartphone!

Use a câmera do seu telefone para ler o código ao lado ou abra este link no navegador do telefone e crie um atalho para ele.

O ícone aparecerá na tela inicial e você terá acesso a todos os episódios!

 

 

Em mais uma entrada da série Grandes Filmes, o Podcast Cinema em Cena analisa um marco do cinema brasileiro: O Bandido da Luz Vermelha (1968), dirigido por Rogério Sganzerla e estrelado por Paulo Villaça, Helena Ignez, Luiz Linhares, Pagano Sobrinho e Sérgio Hingst.

Programa apresentado e produzido por Renato Silveira, com os comentários de Stephania Amaral, da equipe Cinema em Cena, de Ana Lúcia Andrade, professora de Cinema da Escola de Belas Artes da UFMG, e do crítico de cinema Marcelo Miranda, da Cinética.

Edição e mixagem de áudio: Eduardo Garcia.

Interaja com os demais ouvintes nos comentários abaixo. Tem um recado para a nossa equipe? Envie sua mensagem para o e-mail cinema@cinemaemcena.com.br

EXTRAS:

- Trailer original:

- Argumento e roteiro de O Bandido da Luz Vermelha (PDF oficial do livro).

- Manifesto de Rogério Sganzerla, escrito em 1968, durante as filmagens de O Bandido da Luz Vermelha:

1 – Meu filme é um far-west sobre o III Mundo. Isto é, fusão e mixagem de vários gêneros. Fiz um filme-soma; um far-west mas também musical, documentário, policial, comédia (ou chanchada?) e ficção científica. Do documentário, a sinceridade (Rossellini); do policial, a violência (Fuller); da comédia, o ritmo anárquico (Sennett, Keaton); do western, a simplificação brutal dos conflitos (Mann).

2 – O Bandido da Luz Vermelha persegue, ele, a polícia enquanto os tiras fazem reflexões metafísicas, meditando sobre a solidão e a incomunicabilidade. Quando um personagem não pode fazer nada, ele avacalha.

3 – Orson Welles me ensinou a não separar a política do crime.

4 – Jean-Luc Godadrd me ensinou a filmar tudo pela metade do preço.

5 – Em Glauber Rocha conheci o cinema de guerrilha feito à base de planos gerais. 6 – Fuller foi quem me mostrou como desmontar o cinema tradicional através da montagem.

7 – Cineasta do excesso e do crime, José Mojica Marins me apontou a poesia furiosa dos atores do Brás, das cortinas e ruínas cafajestes e dos seus diálogos aparentemente banais. Mojica e o cinema japonês me ensinaram a saber ser livre e – ao mesmo tempo – acadêmico.

8 – O solitário Murnau me ensinou a amar o plano fixo acima de todos os travellings.

9 – É preciso descobrir o segredo do cinema de Luís poeta e agitador Buñuel, anjo exterminador.

10 – Nunca se esquecendo de Hitchcock, Eisenstein e Nicholas Ray.

11 – Porque o que eu queira mesmo era fazer um filme mágico e cafajeste cujos personagens fossem sublimes e boçais, onde a estupidez – acima de tudo – revelasse as leis secretas da alma e do corpo subdesenvolvido. Quis fazer um painel sobre a sociedade delirante, ameaçada por um criminoso solitário. Quis dar esse salto porque entendi que tinha que filmar o possível e o impossível num país subdesenvolvido. Meus personagens são, todos eles, inutilmente boçais – aliás como 80% do cinema brasileiro; desde a estupidez trágica do Corisco à bobagem de Boca de Ouro, passando por Zé do Caixão e pelos párias de Barravento.

12 – Estou filmando a vida do Bandido da Luz Vermelha como poderia estar contando os milagres de São João Batista, a juventude de Marx ou as aventuras de Chateaubriand. É um bom pretexto para refletir sobre o Brasil da década de 60. Nesse painel, a política e o crime identificam personagens do alto e do baixo mundo.

13 – Tive de fazer cinema fora da lei aqui em São Paulo porque quis dar um esforço total em direção ao filme brasileiro liberador, revolucionário também nas panorâmicas, na câmara fixa e nos cortes secos. O ponto de partida de nossos filmes deve ser a instabilidade do cinema – como também da nossa sociedade, da nossa estética, dos nossos amores e do nosso sono. Por isso, a câmara é indecisa; o som fugidio; os personagens medrosos. Nesse País tudo é possível e por isso o filme pode explodir a qualquer momento.

Rogério Sganzerla