Seja bem-vindx!
Acessar - Registrar

Cinco “mockumentários” que merecem destaque Clube dos Cinco

“Mockumentários” são um tipo bastante particular de filmes que apresentam todas as características dos documentários, mas abordam temas completamente fictícios. Muitos cineastas optam em realizar longas dessa forma para satirizar determinada situação, criando às vezes algo absurdo, mas ao mesmo tempo bem próximo da realidade.

Talvez a produção mais famosa nessa linha seja o fantástico Isto É Spinal Tap (1984), de Rob Reiner, mas há outras obras que também são bem conhecidas do público, como Zelig (1983), de Woody Allen, e Borat (2007), com Sacha Baron Cohen. Na nova coluna Clube dos Cinco, escolhemos outros documentários falsos que merecem destaque.

 

INCIDENTE EM LOCH NESS
Incident at Loch Ness, 2004
Diretor: Zak Penn

O diretor alemão Werner Herzog (Fitzcarraldo) gosta de brincar com sua própria imagem e reputação e não hesita em atuar em projetos de amigos, como Mister Lonely (2008) e Jack Reacher: O Último Tiro (2013). Em Incidente em Loch Ness, dirigido por Zak Penn (roteirista de O Incrível Hulk) e com participações especiais de Jeff Goldblum e Crispin Glover, Herzog interpreta ele mesmo como um cineasta que viaja até a região montanhosa da Escócia para filmar um documentário sobre o mito do monstro do Lago Ness.

Ao mesmo tempo, outra equipe de filmagem roda um documentário sobre o diretor e os bastidores de seu novo projeto. No barco alugado, os dois grupos entram em conflito e as tensões aumentam quando Herzog e seu produtor (vivido por Penn) descobrem que têm objetivos opostos. Mas definitivamente ninguém estava preparado para ver estranhas movimentações na superfície do lago escocês...

 

FORGOTTEN SILVER
1995
Diretores: Costa Botes e Peter Jackson

Neste “mockumentário”, o diretor Peter Jackson (O Senhor dos Anéis) descobre que uma senhora da vizinhança no interior da Nova Zelândia é viúva do cineasta Colin McKenzie, responsável por incríveis avanços cinematográficos, como um filme falado em 1908 e outro a cores em 1911. Infelizmente, as inovações permaneceram na obscuridade por causa dos problemas que McKenzie teve com sua sanidade, suas finanças e com os obstáculos comuns da indústria cinematográfica. Forgotten Silver se aproxima do propósito de brincar com o documentário tradicional ao incorporar depoimentos do crítico de cinema Leonard Maltin, do produtor Harvey Weinstein e do ator Sam Neill, além de uma compilação de filmes envelhecidos que simulam originais da década de 1920, como uma suposta adaptação do conto bíblico Salomé.

O canal de televisão que exibiu Forgotten Silver recebeu cartas furiosas dos telespectadores após anunciar a falácia e algumas delas foram lidas em Behind the Bull: Forgotten Silver (2000), filme verídico sobre a produção.

 

ACONTECEU PERTO DA SUA CASA
C'est arrivé près de chez vous, 1992
Diretores: Rémy Belvaux, André Bonzel e Benoît Poelvoorde

Neste falso documentário dominado pelo humor negro, uma equipe de filmagem acompanha um ladrão e serial killer chamado Ben (Benoît Poelvoorde) enquanto ele passa os dias filosofando sobre arte, natureza e sociedade e ocasionalmente assassinando cruelmente carteiros, pensionistas e pessoas aleatórias (nunca milionários, pois segundo ele, “se você mata uma baleia, é perseguido pelo Greenpeace e por Jacques Cousteau, mas se você mata sardinhas, o governo te ajuda a vendê-las em latas”). Os problemas surgem quando a equipe começa a perder a objetividade e o distanciamento e passa a se envolver diretamente nos crimes, recebendo ajuda financeira de Ben e ouvindo palpites em relação ao melhor ângulo para filmar os assassinatos.

Vencedor do Prêmio SACD e do Prêmio Especial da Juventude no Festival de Cannes, Aconteceu Perto da sua Casa é uma sátira sobre a nossa fixação com a violência capturada por câmeras e sobre a cumplicidade da mídia e dos espectadores nessa relação.

 

PUNISHMENT PARK
1971
Diretor: Peter Watkins

“Mockumentários” são produções geralmente divertidas, mas em Punishment Park o assunto é sério. O diretor do também elogiado O Jogo da Guerra (1965) nos oferece este filme raro e igualmente angustiante que extrapola a ideia de uma resposta totalitária do governo Nixon aos crescentes protestos contra a Guerra do Vietnã. No longa, um grupo de ativistas hippies e outras pessoas que discordam do poder vigente são presos e interrogados por atos contra o governo e podem optar entre cumprir pena ou passar pelo “Parque da Punição”, local no deserto da Califórnia onde eles sentirão fome e sede e serão escoltados por soldados durante três dias em uma espécie de jogo de “captura de bandeiras”. Uma equipe de filmagem acompanha os procedimentos para garantir a segurança dos prisioneiros que serão libertados ao final das arbitrárias provas, mas a situação começa a sair do controle e fica cada vez mais hostil.

Bom exemplo de ética situacional, em que um indivíduo muda seu comportamento dependendo de onde se encontra (hippies deixando de ser pacifistas, por exemplo), Punishment Park é também uma homenagem ao cinema-verdade (rodado em parte com a câmera na mão) e uma assustadora representação de um cenário de tortura que os rebeldes contraculturais do final dos anos 60 poderiam ter sido submetidos.

 

BOB ROBERTS
1992
Diretor: Tim Robbins

Estreia de Tim Robbins como diretor e roteirista de longa-metragem, Bob Roberts também conta com o ator interpretando o personagem principal, que é um popular cantor de folk – com discos e clipes que parodiam Bob Dylan – ao mesmo tempo em que é um republicano conservador disputando as eleições para senador com o democrata Brickley Paiste (Gore Vidal), contra quem ele usa e abusa de golpes baixos. Ainda que extremamente carismático durante sua campanha hipócrita, Bob se mostra reacionário, corrupto e contraditório em sua conduta e propostas. Sua única ameaça é um repórter independente (vivido por Giancarlo Esposito, da série Breaking Bad) que tenta detê-lo.

Robbins usou o estilo dos “mockumentários” em Bob Roberts para satirizar o sistema político e o modo como a mídia cobre o processo eleitoral, criando um filme que permanece atual. E o elenco tem outros rostos conhecidos, como Helen Hunt, Alan Rickman, James Spader, John Cusack e um estreante Jack Black.

 

Menções Honrosas

* A Man Vanishes (1967), de Shôhei Imamura
* David Holzman's Diary (1967), de Jim McBride
* Um Assaltante Bem Trapalhão (1969), de Woody Allen
* The Rutles: All You Need Is Cash (1978), de Eric Idle e Gary Weis
* Real Life (1979), de Albert Brooks
* The Falls (1980), de Peter Greenaway
* Fear of a Black Hat (1993), de Rusty Cundieff
* CB4 (1993), de Tamra Davis
* Waiting for Guffman (1996), O Melhor do Show (2000) e A Mighty Wind (2003), de Christopher Guest
* Lindas de Morrer (1999), de Michael Patrick Jann
* It's All Gone Pete Tong (2004) e Fubar (2002), de Michael Dowse
* Chalk (2006), de Mike Akel
* Kenny (2006), de Clayton Jacobson
* Lake Mungo (2008), de Joel Anderson
* Eu Ainda Estou Aqui (2010), de Casey Affleck
* What We Do in the Shadows (2014), de Jemaine Clement e Taika Waititi

--
Agora é a sua vez! Deixe sua contribuição para o nosso clube nos comentários abaixo e compartilhe com os amigos!
Conhece algum outro "mockumentário" que merece destaque?

Sobre o autor:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Você também pode gostar de...

Clube dos Cinco
Cinco filmes com más companhias
Clube dos Cinco
Coisas que queimam o filme de STAR WARS
Clube dos Cinco
As cinco melhores danças de 2015