Seja bem-vindx!
Acessar - Registrar

As propagandas de sabonete dirigidas por Ingmar Bergman Cinecomercial

Os nove comerciais para o sabonete Bris, realizados com recursos generosos cedidos a um Ingmar Bergman que enfrentava problemas financeiros em 1951, adotam o bom-humor que o diretor manifestaria nas raras comédias como Sorrisos de Uma Noite de Amor (1955), O Olho do Diabo (1960), Para Não Falar de Todas Essas Mulheres (1964) e A Flauta Mágica (1975) – ou mesmo em momentos de alívio cômico inseridos em seus longas mais sisudos como O Sétimo Selo. "As comédias que realizei tiveram o mesmo motivo que os filmes Bris: era imprescindível que elas me dessem dinheiro, não me envergonho de confessar", revelou o cineasta mais tarde.

As situações para eles criadas passam por um hilário e didático extermínio de bactérias (este encontrado em melhor qualidade), um teatro de homens minúsculos, uma mulher que sai da tela do cinema (olá, Woody Allen!) e recorrências bergmanianas como sonhos estranhos, além da surrealista propaganda dentro da propaganda em uma impressionante metalinguagem, sempre embalados por uma música animada e com direito à participação de uma Bibi Andersson (Morangos Silvestres) em início de carreira. Confira:

Sobre o autor:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Você também pode gostar de...

Cinecomercial
Margaret Qualley faz coreografia frenética em “videoclipe” de Spike Jonze para perfume Kenzo
Cinecomercial
Sofia Coppola dirige Kirsten Dunst em propaganda de lingerie da Calvin Klein
Cinecomercial
Futurismo retrô no curta da Prada PAST FOWARD, de David O. Russell