Seja bem-vindx!
Acessar - Registrar

DESAIO À CORRUPÇÃO e A COR DO DINHEIRO Cinema em Streaming

Há apenas seis atores na história que foram indicados ao Oscar duas vezes interpretando o mesmo personagem: Bing Crosby como o Padre O’Malley em O Bom Pastor (1944) e Os Sinos de Santa Maria (1945); Peter O’Toole como o Rei Henrique II em Becket, o Favorito do Rei (1964) e O Leão no Inverno (1968); Al Pacino como o Michael Corleone em O Poderoso Chefão (1972) e O Poderoso Chefão II (1974); Cate Blanchett como a Rainha Elizabeth I em Elizabeth (1998) e Elizabeth: A Era de Ouro (2007); e os dois que tiveram maior tempo que separam uma indicação da outra, Paul Newman como “Fast Eddie” Felson em Desafio à Corrupção (1961) e A Cor do Dinheiro (1986) vinte e cinco anos depois, e Sylvester Stallone como Rocky Balboa em Rocky: Um Lutador (1976), indicado novamente trinta e nove anos depois (e único já tendo reprisado o papel, em outros cinco filmes) por Creed: Nascido Para Lutar (2015). Crosby é o único a ter vencido na primeira indicação e Newman o único a vencer pela segunda.

Os personagens de Newman e Stallone dividem uma semelhança: são jovens e excepcionais em seus esportes no primeiro filme e décadas depois serão tutores de jovens talentosos que refletem o que foram e os forçam a reexaminar suas vidas. Mas enquanto Rocky Balboa encarna o sonho americano, a recompensa e superação através do trabalho árduo e, para o bem ou para o mal, está preso às convenções do gênero de filmes esportivos, “Fast Eddie” Felson está em duas obras com muitas diferenças entre si e que escapam das convenções mais óbvias, tendo a sinuca e o bilhar como modalidade esportiva, algo a princípio cinematograficamente menos interessante do que o boxe.

Desafio à Corrupção logo nos apresenta este mundo e seu protagonista sob a ótica da trapaça: The Hustler é o título original e a sinuca é um jogo que dá a possibilidade para que alguém muito hábil e/ou profissional finja ser ruim ou mediano e fisgar pessoas que jogam apenas de forma recreativa, aumentando apostas. Eddie Felson é um desses hustlers e junto com seu parceiro e figura paterna Charlie, viaja pelo país aplicando pequenos golpes. O filme de Robert Rossen, no entanto, não está tão interessado na trapaça em si: na verdade, Felson está à procura do imbatível Minnesota Fats (Jackie Gleason numa dessas atuações grandiosas que se devem “apenas” a uma presença particular em cena) para desafiá-lo e mostrar que é o melhor.