Seja bem-vindx!
Acessar - Registrar

Cinco filmes que têm pontas de atores famosos Clube dos Cinco

Para esta edição da coluna, nós selecionamos cinco (e algumas mais) participações especiais de atores famosos. Queremos a sua contribuição para aumentarmos a lista, portanto, deixe seu comentário e diga qual é a sua ponta favorita que não entrou em nosso clube.

Clive Owen em A Pantera Cor de Rosa (The Pink Panther, 2006) - por Heitor Valadão

Antes de Clive Owen tornar-se conhecido do grande público protagonizando os curtas da série The Driver da BMW, ele já tinha uma promissora carreira na TV e cinema britânicos. Com o sucesso da campanha, a MGM e os produtores da franquia 007 deixaram bem claro que o ator era a primeira escolha para substituir Pierce Brosnan como o novo James Bond. Owen recusou, e algumas línguas mais ferinas alegam que ele o fez porque não gosta de se exercitar. Assim, Daniel Craig assumiu a vaga.

Mas como todo bom inglês, Owen tem senso de humor e topou fazer graça com o convite. Na refilmagem de A Pantera Cor de Rosa, o ator tem duas pequenas cenas como o Agente 006, ao lado do Inspetor Closeau interpretado por Steve Martin. A música que embala sua cena de ação também passa bastante perto do tema de Bond.

Samuel L. Jackson em Kill Bill: Vol. 2 (2004) - por Luísa Gomes

A "pequena" desavença entre Bill (David Carradine) e Beatrix Kiddo (Uma Thurman) rendeu uma dor de cabeça a todos que cercavam a matadora aposentada. Na saga de Kill Bill, nós vemos massacres de uma vingança vinda dos dois lados da moeda: a de Bill, por ter sua confiança traída, e a de Beatrix, por abominar suas reações sádicas.

Em uma das matanças, especificamente a de El Paso, temos uma vítima inocente que literalmente havia tido o primeiro contato com a Noiva naquele dia. Samuel L. Jackson (Os Vingadores) aparece em um curto papel como o pianista aborrecido Rufus em Kill Bill Vol. 2, durante o ensaio de casamento de Beatrix. Ele acaba sendo assassinado pelos quatro integrantes do "Deadly Viper Assassin Squad", a mando de Bill.

A aparição de Jackson é apenas um dos caprichos do diretor Quentin Tarantino, que tem o ator como amigo. Uma parceria iniciada em Pulp Fiction e que se estendeu para quase o todos os longas do cineasta. A mais recente foi do mordomo ranzinza Stephen em Django Livre. A presença de Jackson é praticamente uma das marcas registradas de Tarantino, que possui uma galeria de atores fixos em seu repertório.

Sofia Coppola em O Poderoso Chefão (The Godfather, 1972) e O Poderoso Chefão - Parte 2 (The Godfather - Part II, 1974) - por Luísa Teixeira de Paula

Muito antes de firmar-se como cineasta, Sofia Coppola fez sua primeira aparição nas telonas como atriz tendo apenas alguns meses de vida. Filha de Francis Ford Coppola, ela estrela uma das partes mais significativas do primeiro volume da trilogia O Poderoso Chefão: o batismo do sobrinho de Michael Corleone, Michael Francis Rizzi.

Mas a relação da nova-iorquina com a franquia não termina por aí. Seu pai, ganhador de cinco Oscars, era também conhecido por envolver familiares em seus projetos e a garota, claro, não poderia ficar de fora. Dois anos depois do primeiro longa, Sofia volta a entrar em cena, desta vez em uma aparição relâmpago como uma garotinha no navio que está no porto da cidade de Nova York.

Mas é na terceira parte da trilogia que ela encara seu papel de maior destaque: Mary Corleone. Sofia, com então 19 anos, substituiu Winona Ryder (Garota, Interrompida) como a filha de Michael. Apaixonada pelo protegido Vincent Mancini (Andy García), ela sofre com a desaprovação do romance pelo pai, que teme por sua segurança.

A escolha de Sofia para o papel deu espaço para a crítica, que não perdoou sua atuação. Como resultado, ela acabou ganhando dois prêmios Framboesa de Ouro em 1990: Pior Atriz Coadjuvante e Pior Revelação de 1990.

Meryl Streep em Ligado em Você (Stuck on You, 2003) - por Renato Silveira

Esta comédia dos irmãos Farrelly (Quem Vai Ficar com Mary?), protagonizada por Matt Damon e Greg Kinnear, traz uma participação especial de luxo: ninguém menos que Meryl Streep. A atriz vencedora do Oscar por Kramer VS. Kramer, A Escolha de Sofia e A Dama de Ferro aparece primeiro em um restaurante, para a alegria do personagem de Kinnear, que sonha em ser ator de Hollywood. Mais adiante, ela volta ao lado de Kinnear em uma encenação musical de Bonnie e Clyde. Quase uma inspiração para ela protagonizar Mamma Mia! em 2008.

O filme também conta com uma participação especial de uma brasileira: a apresentadora e modelo Fernanda Lima se arriscou a seguir os passos de Gisele Bündchen e aparece rapidamente como uma secretária. Uma carreira relâmpago em Hollywood.

Glenn Close em Hook – A Volta do Capitão Gancho (Hook, 1991) - por Renato Silveira

Se você se surpreendeu ao ver Glenn Close interpretando uma mulher travestida de homem em Albert Nobbs, papel que rendeu a ela uma indicação ao Oscar, talvez você ficará ainda mais surpreso ao saber que ela já havia fingido ser do sexo oposto em Hook. Na continuação da história de Peter Pan, dirigida por Steven Spielberg, Close surge irreconhecível em uma rápida cena como um pirata de barba grisalha que é preso dentro de um baú com escorpiões, a mando do Capitão Gancho de Dustin Hoffman.

Hook também conta com outras duas pontas notáveis: Gwyneth Paltrow aparece interpretando uma versão adolescente de Wendy e o músico Phil Collins pode ser visto no papel de um inspetor da polícia depois que Peter (Robin William) descobre que seus filhos desapareceram.

Veja os três no vídeo abaixo:

Agora é a sua vez! Deixe sua contribuição para o nosso clube nos comentários abaixo e compartilhe com os amigos!
--
EDIÇÕES ANTERIORES DA COLUNA 

Sobre o autor:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Você também pode gostar de...

Clube dos Cinco
Cinco invenções cinematográficas que gostaríamos de ter
Clube dos Cinco
Especial Halloween: Cinco filmes assustadores que não são de terror
Clube dos Cinco
Cinco hipnoses cinematográficas