Seja bem-vindx!
Acessar - Registrar

Amaldiçoados pelo Oscar Clube dos Cinco

Reza a lenda que a cobiçada estatueta de ouro da Academia carrega uma maldição capaz de destruir as carreiras daqueles que não fizerem por merecê-la. OK, é um exagero. Mas nesta edição do Clube dos Cinco, nós selecionamos cinco vencedores do Oscar que experimentaram o sabor amargo da decepção após viverem um momento de glória na mais visada premiação do cinema. 

Halle Berry, por Larissa Padron

DivulgaçãoHalle Berry estava em uma boa fase até o início da década de 2000: um filme de Warren Beatty (Politicamente Incorreto) na bagagem, o papel de Tempestade no elogiado primeiro episódio da franquia X-Men e uma excelente atuação em A Última Ceia, de Marc Forster, que acabou lhe rendendo o Oscar de Melhor Atriz e colocando-a na história como a primeira atriz negra a receber o prêmio.

Logo após o Oscar, outra honra para a atriz: ela também seria a primeira negra a ser uma Bond Girl, em 007 – Um Novo Dia Para Morrer... que acabou se tornando um dos piores e mais horrorosos filmes da franquia James Bond. E desde então, a maldição do Oscar começou a reinar sob as escolhas de Berry: os péssimos suspenses Na Companhia do Medo e A Estranha Perfeita; os fracos A Senha: Swodfish e Frank & Alice; e o pavorosamente ruim Mulher-Gato, que rendeu à atriz o Framboesa de Ouro de Pior Atriz em 2005 (ao menos, ela teve espírito esportivo e foi à cerimônia do Razzie receber o troféu).

DivulgaçãoOs trabalhos mais recentes de Berry também dão certa vergonha alheia: a comédia romântica Noite de Ano Novo e o ainda inédito Dark Tide (que é só olhar o cartaz e saber que é do diretor de Turistas para ficar com o pé atrás). Vamos torcer para que seu papel em Cloud Atlas, aguardado filme dos irmãos Wachowski (trilogia Matrix) e Tom Tykwer (Trama Internacional), reverta essa situação.

Marisa Tomei, por Tullio Dias

DivulgaçãoA talentosa Marisa Tomei literalmente tropeçou depois de vencer seu Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por Meu Primo Vinny, de 1993, e ganhar a atenção de Hollywood. Após o prêmio pelo desempenho ao lado de Joe Pesci e Ralph Macchio (sim, o Daniel San, de Karatê Kid), a carreira da atriz começou a oscilar entre participações em produções de respeito e em comédias românticas descartáveis.

DivulgaçãoCom o Oscar na prateleira, Tomei tentou conciliar, da melhor forma possível, suas participações em filmes fracos (basta lembrar de O Guru do Sexo, de 2002) e outros mais interessantes, sendo o melhor exemplo, Entre Quatro Paredes, que lhe rendeu a segunda indicação ao Oscar e a colocou no eixo novamente. Já em 2008, depois de interpretar uma stripper e mostrar suas curvas em O Lutador (algo que ela nunca se recusou a fazer, vide Antes que o Diabo Saiba que Você Está Morto), Tomei recebeu sua terceira indicação ao Oscar e o reconhecimento de que é uma atriz que funciona tão bem no drama quanto na comédia (Amor a Toda Prova).

Kevin Costner, por Heitor Valadão

DivulgaçãoAh, Kevin Costner! Se alguém sofreu com a maldição do Oscar, este alguém foi você. Não que ela tenha sido imediata. Afinal, ao dirigir e ser premiado por Dança com Lobos, em 1991, você ainda teve grandes projetos de sucesso como Robin Hood: Príncipe dos LadrõesJFK: A Pergunta que Não Quer CalarO Guarda-Costas... e então veio Wyatt Earp. Um projeto pessoal, dirigido por outra pessoa. Um fracasso. Seguido por um ainda maior: Waterworld, onde tudo o que poderia dar errado, deu. Furacões, destruição dos sets, demissão de diretor (que acabou voltando ao trabalho). Mas já era tarde.

O Jogo da Paixão ainda era um filme bastante simpático, mas esperar que o público se apaixone por um filme que envolve golfe é pedir um pouco demais. Por melhor que ele seja! Mas quando é seguido por mais um projeto caro e complicado como O Mensageiro, dificulta ainda mais. Mesmo com bons filmes, o público aparentemente cansou de assisti-lo e se refere a Costner como um ator que "só faz filme ruim". Um péssimo estigma para um ator carismático e, muitas vezes, competente.

DivulgaçãoQuem sabe, Kevin Costner, salvar o resto de sua carreira não será um trabalho para o Superman? Por favor, impressione-nos novamente com seu charme e simpatia. Ganhe uma indicação ao Oscar de ator coadjuvante e mostre que quem um dia trabalhou com feras como Brian De Palma, Clint Eastwood e Rob Reiner não perderá nunca o seu lugar no coração do público. Público este que deveria correr para a locadora e assistir o subestimadíssimo Pacto de Justiça.

Mira Sorvino, por Larissa Padron

DivulgaçãoSe você ouve rapidamente o nome Mira Sorvino você pode se perguntar: "Quem?" E você provavelmente tem motivos para não reconhecer o nome, mas ela faz parte do seleto time de atrizes que ganharam Oscar por filmes de Woody Allen – que inclui também Diane Keaton (Noivo Neurótico, Noiva Nervosa), Dianne Wiest (Hannah e Suas Irmãs) e Penélope Cruz (Vicky Cristina Barcelona).

Sorvino ainda era a desconhecida filha de Paul Sorvino (Os Bons Companheiros) e só fazia pequenas pontas em filmes, quando conseguiu o papel da prostituta Linda Ash em Poderosa Afrodite, o filme de Allen que lhe rendeu a estatueta de Melhor Atriz Coadjuvante (numa atuação de qualidade bem duvidosa, diga-se de passagem). E o prêmio da Academia poderia ter deslanchado sua carreira, não?

Não! Seus papéis mais famosos após o Oscar foram nas comédias Romy e Michelle e Brincando de Seduzir, na ficção–científica Mutação e no romancezinho À Primeira Vista, com Val Kilmer interpretando um cego. Conhece algum? Não será nenhuma surpresa se a resposta for "não".

DivulgaçãoNo entanto, esconde-se um cérebro brilhante por trás da mediana atriz. Fluente em francês e mandarim, Sorvino se formou em Harvard com uma dissertação internacionalmente premiada sobre conflitos raciais na China. Bem que ela podia ter continuado a carreira acadêmica, não é mesmo?

 

Cuba Gooding Jr., por Tullio Dias 

DivulgaçãoCuba Gooding Jr. tinha uma carreira discreta antes de Cameron Crowe e Tom Cruise entrarem em sua vida e o convidarem para participar de Jerry Maguire – A Grande Virada, em 1996. Interpretando um jogador de futebol americano desiludido chamado Rod Tidwell, o ator ficou conhecido por desafiar o personagem de Cruise ao gritar: “Show me the money!”, em alto e bom tom.

DivulgaçãoA frase clássica e o Oscar que ele recebeu pelo papel não parece ter surtido efeito na carreira do ator, que após Jerry Maguire participou de filmes como Melhor é Impossível, ao lado de Helen Hunt e Jack Nicholson, e Amor Além da Vida, mas também entrou de cabeça no mundo dos filmes produzidos direto para a televisão e estrelou muitas produções obscuras. Vez ou outra, ele dava as caras em produções maiores, como Pearl Harbor ou O Gângster, mas nunca conseguiu consolidar a sua carreira, nem mesmo após protagonizar a divertida comédia O Cruzeiro das Loucas.

Quer relembrar mais algum vencedor do Oscar que foi "amaldiçoado" após ser premiado? Deixe seu comentário e participe da nossa discussão.

Sobre o autor:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Você também pode gostar de...

Clube dos Cinco
Cinco cenas violentas que Tarantino torna divertidas
Clube dos Cinco
Cinco naufrágios cinematográficos
Clube dos Cinco
As cinco melhores danças de 2015