Seja bem-vindx!
Acessar - Registrar

Grandes elencos que não deram certo Clube dos Cinco

Batman e Robin (1997)

Grandes elencos em produções importantes passaram a ter uma enorme chance de se transformarem em fiascos depois de 1997, ano em que Batman e Robin chegou aos cinemas. Como se não bastasse colocar Arnold Schwarzenegger como o vilão Sr. Frio, Uma Thurman como a vilã Hera Venenosa e George Clooney como Bruce Wayne/Batman, o longa-metragem ainda pecou por introduzir o vilão Bane (Jeep Swenson) como um capanga bombado da sedutora personagem de Thurman, algo bem longe da realidade do personagem nos quadrinhos e do que (provavelmente) será visto em Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge

Dirigida por Joel Schumacher, a produção é um verdadeiro festival de bizarrices. Gotham City se transforma numa cidade colorida, o vilão parece fantasiado para o desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro, Batman e Robin possuem bat-cartões de crédito e assim por diante. Uma verdadeira lição de que contar com um elenco grandioso acaba não sendo uma opção tão interessante assim. Sam Raimi e a Sony se esqueceram do fiasco da Warner e fizeram o mesmo em Homem-Aranha 3, que embora não tenha um elenco estelar, exagera na dose de vilões. 

O reconhecimento do fiasco de Batman e Robin veio com as 11 indicações ao Framboesa de Ouro (incluindo uma indicação na curiosa categoria “Pior Desrespeito Irresponsável Pela Vida Humana e Propriedade Pública”). Mas o filme só levou para casa o prêmio de pior atriz coadjuvante (Alicia Silverstone, a Bat-Girl). 

A Warner Bros ficou tão traumatizada com a recepção da crítica/público, que os executivos queriam matar qualquer pessoa que mencionasse o nome do Homem-Morcego nos corredores do estúdio. Até que em 2005, Batman Begins reiniciou a franquia e recuperou a moral perdida no filme de Joel Schumacher.

Lendas da Paixão (1994)

Um vencedor do Oscar. O bonitão do momento. O protagonista de um dos maiores sucessos da história. O que pode dar errado? Muita coisa, se você deixar o diretor Edward Zwick no comando.

Em uma vã tentativa de dominar o melodrama, Zwick conta a história de três irmãos, Tristan (o galã Brad Pitt), Samuel (o caçula Henry Thomas) e Alfred (o mais velho e mais chato Aidan Quinn) que acabam disputando o amor de uma mesma mulher, Julia Ormond (a sem graça). Para completar, o pai dos rapazes é vivido pelo veterano Anthony Hopkins, que não esconde sua preferência pelo garoto problema Tristan.

Depois de um início promissor, o filme desmorona rapidamente quando decide não focar em nenhum de seus personagens, mas contar a história pelo ponto de vista do índio Facada, resultando em uma morte, um irmão mulherengo e inconsequente e um outro invejoso e manipulador. Tudo isso em uma tentativa fracassada de usar belas paisagens e cenários canadenses.

Ishtar (1987)

Tido como um dos maiores fracassos de bilheteria de todos os tempos, Ishtar reuniu os vencedores do Oscar Dustin Hoffman e Warren Beatty no elenco principal. Parte do alto orçamento da produção se deve ao cachê dos atores: US$ 5 milhões para cada um, uma quantia considerável para a época. Muita polêmica surgiu na mídia, principalmente porque a dupla recebeu antes do início das filmagens.

E os problemas financeiros foram realmente os principais motivos que tornaram Ishtar um filme maldito. Brigas entre a equipe do filme e representantes do estúdio interferiram nas filmagens e na pós-produção. O longa custou US$ 55 milhões, sendo que a arrecadação foi de apenas US$ 14,3 milhões. Isso pegou tão mal que a diretora Elaine May sequer se arriscou a dirigir outro filme novamente, apesar de ter seguido com sua carreira de atriz e roteirista (sendo inclusive indicada pela segunda vez ao Oscar em 1999 pelo roteiro de Segredos do Poder; a primeira foi em 1979, por O Céu Pode Esperar).

Ishtar traz Hoffman e Beatty nos papéis de dois cantores sem talento que viajam para Marrocos à procura de uma chance de finalmente conseguirem fazer algum sucesso. No entanto, eles acabam envolvidos em uma rebelião contra o governo local. Além do grande elenco reunido (o filme também conta com a atriz francesa Isabelle Adjani no papel de uma guerrilheira), Ishtar contou com o diretor de fotografia Vittorio Storaro, que trabalhou com Bernardo Bertolucci em filmes como 1900 e O Último Imperador, e também com Francis Ford Coppola em Apocalypse Now e o próprio Warren Beatty em Reds. Apesar do desastre nas bilheterias, alguns críticos viram qualidades isoladas no longa, mas a recepção na imprensa foi negativa na maior parte.

Fúria de Titãs (2010)

Quando foi anunciado o remake de Fúria de Titãs, de 1981, era necessário reunir um bom elenco. Afinal, o original conta com Laurence Olivier, Maggie Smith e Ursula Andress. Então, o diretor da nova versão, Louis Leterrier, assim o fez: chamou para protagonizar Sam Worthington, o queridinho do momento de Hollywood, graças a Avatar e O Exterminador do Futuro: A Salvação; e para seu par romântico escolheu Gemma Artenton, que tinha acabado de fazer 007 – Quantum of Solace Príncipe da Pérsia. Ele ainda incluiu algumas pontas de Danny Huston, Elizabeth McGovern e Pete Postlewaithe.

Mas Leterrier caprichou mesmo foi na escalação dos dois mais temidos deuses do Olimpo. Zeus e Hades seriam interpretados por Liam Neeson e Ralph Fiennes, respectivamente. Você acreditaria que um filme que traria novamente a dupla indicada ao Oscar por A Lista de Schindler poderia decepcionar?

Mas decepcionou. O filme é entediante, confuso e... Ruim mesmo. E para piorar ainda apresentou uma das piores conversões em 3D já feitas até o momento. Confira uma cena com Neeson e Fiennes para ter uma ideia do que o filme apresenta. Esta foi excluída, mas não se engane: o que ficou na versão final não melhora.

As Duas Faces da Lei (2008)

Robert De Niro e Al Pacino não são apenas dois dos maiores atores ítalo-americanos que trabalham em Hollywood. São dois dos maiores atores de todos os tempos e ponto final. Eles já tinham passado perto de trabalhar juntos em O Poderoso Chefão Parte II, mas eles nunca contracenam no filme de Francis Ford Coppola. Anos mais tarde, muita gente reclamou quando Michael Mann fez Fogo Contra Fogo e colocou os dois juntos em apenas uma única cena. O diretor Jon Avnet, de Tomates Verdes Fritos, provavelmente se achou muito esperto quando finalmente fez De Niro e Pacino interpretarem uma dupla de policiais em As Duas Faces da Lei.

Mas não funcionou. No filme, De Niro parece simplesmente repetir todos os trejeitos que o tornam uma caricatura em filmes de comédia. Já Pacino parece ter feito cada cena como se tivesse acabado de acordar. Talvez seja isso o que acontece quando se coloca dois gigantes para atuar juntos: eles ficam com preguiça e preferem sentar e jogar dominó ao invés de trabalhar. E os produtores provavelmente pensaram que, com os nomes dos dois em um belo cartaz, o trabalho já estava feito.

Para piorar, o filme ainda tem a bela Carla Gugino, John Leguizamo, Brian Dennehy, Melissa Leo e até o ex-New Kid on the Block Donnie Wahlberg. E para surpreender ainda mais, o roteiro é de Russell Gerwitz, uma promessa após o ótimo Um Plano Perfeito, de Spike Lee.

Sobre o autor:

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Você também pode gostar de...

Clube dos Cinco
Cinco sequências de pesadelos em filmes de terror
Clube dos Cinco
Cinco músicas de Lou Reed usadas no cinema
Clube dos Cinco
Cinco filmes que inspiraram episódios de séries