Seja bem-vindx!
Acessar - Registrar

Críticas por Pablo Villaça

Datas de Estreia: Nota:
Brasil Exterior Crítico Usuários
12/11/2010 01/01/1970 2 / 5 / 5
Distribuidora

Minhas Mães e Meu Pai
Kids Are All Right, The

Dirigido por Lisa Cholodenko. Com: Annette Bening, Julianne Moore, Mark Ruffalo, Mia Wasikowska, Josh Hutcherson Yaya DaCosta.

Minhas Mães e Meu Pai é um típico produto do cinema independente norte-americano: focando sua narrativa numa família não-convencional, o roteiro de Lisa Cholodenko e Stuart Blumberg se concentra no relacionamento daquelas pessoas e nas crises de identidade que enfrentam em função de alguma ocorrência atípica em suas vidas, apostando na vontade do espectador de se sentir sofisticado e liberal ao estimulá-lo a abraçar personagens que fogem do lugar-comum.

No caso, estas personagens são a ginecologista Nic (Benning) e a paisagista Jules (Moore), que, casadas há 20 anos, têm um casal de filhos gerados a partir de inseminação artificial feita com o esperma do mesmo doador. Prestes a partir para a faculdade, a filha mais velha, Joni (Wasikowska, bem mais eficiente do que em Alice no País das Maravilhas) entra em contato com o pai biológico, Paul (Ruffalo), a pedido do irmão Laser (Hutcherson). Este encontro dispara uma crise que já se mostrava latente na relação de Nic e Jules, já que a primeira – surgindo como o estereótipo do “homem da casa” – se mostra fria, distante e obcecada com o trabalho, ao passo que a segunda, que tudo abandonou para ser dona-de-casa, agora tenta se afirmar numa nova profissão.

Sem jamais tentar desafiar o público, o roteiro pinta todas aquelas pessoas como figuras inteligentes, abertas, simpáticas e – claro – nada convencionais: não é à toa que batizam os filhos com os nomes Joni (de Mitchell) e Laser. E tampouco é coincidência que Paul seja um dono de restaurante dedicado à utilização de comidas orgânicas que, como não poderia deixar de ser, mantém um relacionamento interracial – e o simples fato de os realizadores usarem uma personagem negra para mostrar o bom caráter de seu namorado é algo que se revela absurdamente racista, embora, claro, a cineasta jamais perceba isso.

Como resultado da pasteurização de todas aquelas pessoas e de suas relações, o filme acaba perdendo qualquer impulso dramático que mova a narrativa e, com isso, o roteiro acaba sendo obrigado a criar uma crise artificial através do envolvimento absolutamente gratuito e implausível entre Jules e Paul – um romance cujo impulso jamais é justificado pelo longa e que acaba sendo desenvolvido de forma igualmente artificial. Como se não bastasse, a personagem de Annette Benning, ainda que encarnada com entrega e carisma pela atriz, é construída pelo roteiro como uma figura cujo comportamento muda durante toda a projeção a fim de atender as necessidades imediatas da história, impedindo, assim, que o espectador compreenda o que a deixa tão ansiosa (antes mesmo de Paul entrar na equação) e infeliz. E o que dizer dos amigos de Joni e Laser, que inicialmente ganham uma importância desmedida apenas para serem ignorados na segunda metade da projeção?

Contando ao menos com um elenco notável (e Benning, Moore e Ruffalo realmente merecem aplausos pelo milagre que fazem com personagens tão mal desenvolvidos), Minhas Mães e Meu Pai é clichê do início ao fim, mostrando-se ainda mais desonesto ao tentar se vacinar contra as críticas ao levar os espectadores a se sentirem bem com relação a si mesmos. Uma estratégia que, infelizmente, se revela bastante eficiente.

Observação: esta crítica foi originalmente publicada como parte da cobertura do Festival do Rio 2010.

01 de Outubro de 2010

Siga Pablo Villaça no twitter clicando aqui!

Comente esta crítica em nosso fórum e troque idéias com outros leitores! Clique aqui!

Pablo Villaça, 18 de setembro de 1974, é um crítico cinematográfico brasileiro. É editor do site Cinema em Cena, que criou em 1997, o mais antigo site de cinema no Brasil. Trabalha analisando filmes desde 1994 e colaborou em periódicos nacionais como MovieStar, Sci-Fi News, Sci-Fi Cinema, Replicante e SET. Também é professor de Linguagem e Crítica Cinematográficas.

 

Para dar uma nota para este filme, você precisa estar logado!