Seja bem-vindx!
Acessar - Registrar

Críticas por Pablo Villaça

Datas de Estreia: Nota:
Brasil Exterior Crítico Usuários
01/01/1970 01/01/1970 4 / 5 / 5
Distribuidora

Ninguém é Perfeito (I)
Nobody`s Perfect

Dirigido por Niko von Glasow.

 

Responsável por milhares de fetos abortados em todo o mundo e outros tantos milhares de bebês nascidos com graves más formações congênitas, a talidomida foi comercializada durante muito tempo como princípio ativo de uma série de medicamentos que visavam combater a ansiedade – e hoje já se sabe que, bem antes de retirá-lo das prateleiras, o laboratório responsável por sua fabricação já conhecia seus efeitos teratogênicos, o que caracteriza um crime digno de ser julgado por tribunais internacionais (a realidade, porém, é que ninguém foi condenado por isto).

 

Uma das vítimas da talidomida é o cineasta alemão Niko von Glasow que, depois de 18 anos de carreira, finalmente decidiu realizar um documentário sobre as conseqüências de uma vida marcada pela deformidade que o impede, por exemplo, de ter a coragem de nadar com o filho em público, já que teme o escrutínio impiedoso das demais pessoas. Assim, von Glasow emprega este Ninguém é Perfeito como uma forma de terapia (ver também Valsa com Bashir) e, para isto, reúne outras 11 “talidomidas” (como os integrantes desta singular comunidade costumam se chamar) a fim de fotografá-las nuas para um calendário que tem o objetivo de demonstrar aquilo que deveria ser óbvio: braços e/ou pernas mal formados ou não, não há nada que diferencie as vítimas do medicamento das demais pessoas, a não ser o preconceito e a aversão que sofrem continuamente.

 

É curioso observar, por exemplo, como praticamente todos os participantes do projeto demonstram uma insegurança comum ao posarem nus – mas esta não se deve, como muitos poderiam imaginar, à exposição dos membros problemáticos e sim aos problemas tão comuns a todos nós: uma barriga flácida aqui, uma gordurinha fora de lugar ali, e assim por diante. Fascinante, também, é notar como cada um daqueles indivíduos processou de maneira particular suas dores e os traumas causados pela deficiência física, sendo que um deles chega a manifestar alívio por saber a causa de seus problemas (a talidomida), o que o livra de questionar os “desígnios divinos”. Da mesma forma, não é apenas porque têm problemas físicos que estas pessoas se enxergam como merecedoras de compaixão – e, assim, chegam a ressentir a proposta de que o calendário seja produzido como atividade beneficente (quando questionado sobre que “causa” o calendário deveria beneficiar, um dos fotografados responde: “Os doze participantes!”).

 

Profundamente tocante ao trazer também imagens de arquivos que revelam algumas daquelas pessoas ainda na infância, sorrindo com a alegria característica de uma criança que não enxerga, em si mesma, as limitações que os demais parecem lhe atribuir, Ninguém é Perfeito ainda conta com seus momentos Roger & Eu ao retratar os esforços do diretor em contatar a família que controla o laboratório responsável pela comercialização da talidomida – mas isto representa, infelizmente, um dos poucos pontos fracos do projeto.

 

É sintomático, portanto, que Ninguém é Perfeito tenha provocado (ao menos na sessão na qual eu me encontrava) a maior evasão de espectadores que testemunhei nesta edição da Mostra – e percebam que estive em sessões dos insuportáveis Varsóvia Sombria, Julgamento e Soul Carriage, que também tiveram uma parcela razoável de abandonos. Igualmente curioso é que todas as pessoas que saíram da sala o fizeram durante a primeira meia hora de projeção, quando, nos demais filmes citados acima, isto ocorria a partir da primeira hora.

 

Ora, Ninguém é Perfeito não é entediante em momento algum e, depois de ultrapassada a meia hora inicial, ninguém mais deixou a sala. Portanto, o que pode ter acontecido? A resposta, temo, é um reflexo das constatações do próprio Niko von Glasow ao entrevistar alguns indivíduos depois que estes viram as fotos do calendário: repulsa à deformidade. Assim, estes espectadores que saíram da sessão de Ninguém é Perfeito parecem não ter conseguido se interessar na história daqueles personagens, detendo-se, em vez disso, em seus corpos defeituosos.

 

E isto, infelizmente, impediu que constatassem o mais importante: que não havia nada de defeituoso nas mentes e corações daquelas pessoas. 

27 de Outubro de 2008

Comente esta crítica em nosso fórum e troque idéias com outros leitores! Clique aqui!

Pablo Villaça, 18 de setembro de 1974, é um crítico cinematográfico brasileiro. É editor do site Cinema em Cena, que criou em 1997, o mais antigo site de cinema no Brasil. Trabalha analisando filmes desde 1994 e colaborou em periódicos nacionais como MovieStar, Sci-Fi News, Sci-Fi Cinema, Replicante e SET. Também é professor de Linguagem e Crítica Cinematográficas.

 

Para dar uma nota para este filme, você precisa estar logado!