Seja bem-vindx!
Acessar - Registrar

Críticas por Pablo Villaça

Datas de Estreia: Nota:
Brasil Exterior Crítico Usuários
22/05/2008 01/01/1970 4 / 5 / 5
Distribuidora

Control
Control

Dirigido por Anton Corbijn. Com: Sam Riley, Samantha Morton, Alexandra Maria Lara, Joe Anderson, Toby Kebbell, Craig Parkinson, James Anthony Pearson, Harry Treadaway.

 

No ótimo A Festa Nunca Termina, dirigido pelo versátil britânico Michael Winterbottom em 2002, o espectador era conduzido através do fértil período musical experimentado em Manchester entre as décadas de 70 e 90, quando o produtor musical Tony Wilson criou o selo Factory Records e a boate Hacienda, sendo co-responsável, entre outras coisas, pelo lançamento do Joy Division, que surgia perifericamente naquele longa. Agora, neste Control, o cineasta holandês Anton Corbijn recapitula a história da banda de maneira bem mais detalhada – especificamente no que diz respeito à trágica e curta existência de seu vocalista, o angustiado Ian Curtis.

 

Escrito por Matt Greenhalgh a partir da autobiografia de Deborah Curtis, esposa de Ian, o filme retrata o músico como um sujeito naturalmente calado e introspectivo – um solitário por opção. Fã do David Bowie da fase glam rock, Ian (Riley) mergulhava em discos e poesia e casou-se, ainda adolescente, com a namorada Deborah (Morton), assumindo um trabalho burocrático como funcionário público de uma agência de empregos. Dividindo seu tempo entre esta função e a nascente banda Warsaw (que viria a se tornar a Joy Division), Ian é atormentado pela epilepsia e por ver-se dividido entre a família e a amante, a jornalista belga Annik Honoré (Lara) – e, neste meio-tempo, sente-se pressionado ainda pelo sucesso crescente de seus esforços artísticos.

 

Co-produzido pela viúva de Curtis e pelo próprio Tony Wilson (morto em agosto de 2007), Control já surpreende pela visão compreensiva que lança sobre o romance entre Ian e Annik, que jamais é vista como uma oportunista ou “destruidora de lares” – e, na realidade, o filme chega a retratar a moça com simpatia, enxergando-a como alguém que rendeu momentos de felicidade ao cantor (algo raro) e que sofreu, tanto quanto Deborah, em função da natureza arredia deste, o que a impedia de se tornar mais próxima do homem que amava. Aliás, Control não busca culpados pelo sofrimento de Deborah, Annik ou Ian; se o vocalista agia com impulsividade irresponsável (“Vamos ter um bebê!”) ou egoísmo, isto se devia não a uma suposta “crueldade” ou desconsideração, mas sim à sua natureza depressiva e aos esforços mal-sucedidos para não magoar Deborah e Annik – algo que ele acabava fazendo por pura imaturidade.

 

Convincente como Deborah desde sua adolescência à idade adulta, a talentosa Samantha Morton cria o retrato de uma jovem que amadureceu à força – algo exemplificado, por exemplo, graças à simples transição de sua postura perante o marido, quando seu olhar de devotada admiração diante da sensibilidade de Ian é substituído por um ar de doída resignação e até mesmo de certo cinismo (“Eu ainda lavo as cuecas dele.”). Enquanto isso, o desconhecido Sam Riley oferece uma performance absolutamente magnífica ao encarnar Curtis como um indivíduo irrecuperavelmente infeliz – e percebam como ele não consegue nem mesmo retribuir o abraço afetuoso da esposa e mantém o semblante neutro até mesmo diante das gracinhas da filha ainda bebê.

 

Instável e impulsivo, Ian obviamente lamenta seu casamento precoce, mas sua gratidão pelo apoio recebido de Deborah no início da carreira divide espaço com o rancor que sente por uma vida conjugal que o aprisiona (algo ilustrado magnificamente pelo plano em que o vemos através das barras do berço de Natalie). Assim, sua expressão angustiada ao retornar para casa depois de suas apresentações deixa claro o ressentimento por ver o calor do estrelato ser substituído instantaneamente pelo cotidiano nada glamouroso das roupas de bebê sujas, das mamadeiras espalhadas e da responsabilidade de pai de família – e este sentimento opressivo é freqüentemente retratado pelo diretor estreante Anton Corbijn (uma revelação maravilhosa) através de planos como aquele em que Ian conversa em um telefone público cuja cabine funciona como uma cela e outro no qual o cantor é literalmente acuado no canto do quadro pela esposa desapontada com seu romance extra-conjugal.

 

Aliás, Control é um filme repleto de planos magnificamente compostos e que se tornam ainda mais impactantes graças à impecável fotografia em preto-e-branco de Martin Ruhe, cuja paleta em tons de cinza serve também para drenar a riqueza exagerada das cores da época e acentuar a natureza deprimente desta história em particular. Assim, embora nos ofereça o inevitável perfil em contraluz presente em praticamente todas as cinebiografias de cantores, o longa também reserva momentos mais sutis como aquele em que vemos o braço esquerdo de Ian displicentemente jogado entre ele e Annik – o que apropriadamente coloca sua aliança de casamento entre os dois, num jogo simbólico inteligente. Da mesma maneira, é revelador perceber como a grande placa dos Sex Pistols se apaga no fundo do quadro no exato momento em que Ian se oferece como vocalista aos companheiros, marcando sua transição de espectador a protagonista da história; e reparem, também, como ele surge pequeno, encolhido no centro da tela, ao ver-se oprimido pelo diagnóstico recente da epilepsia.

 

Mas não é só: Corbijn também demonstra um rico senso de humor ao enfocar Ian caminhando pelas ruas da cidade ao som de “No Love Lost”, levando-nos a antecipar um momento histórico da formação do Joy Division apenas para “frustrar-nos”, de maneira divertida, ao encerrar a cena com a revelação de que o sujeito está se dirigindo ao seu prosaico local de trabalho. Em contrapartida, o cineasta recria com detalhes a primeira aparição da banda no lendário programa de televisão de Tony Wilson (confira aqui) e também dedica atenção até mesmo à criação artesanal da capa do primeiro single do Joy Division. Por outro lado, Control decepciona por não ilustrar o processo criativo de Ian, já que, embora o vejamos iniciando a composição de “She’s Lost Control”, pouco é dito sobre o que o movia e inspirava como artista.

 

Extremamente convincente ao recriar as apresentações da banda (algo explicado pelo fato de que os atores realmente aprenderam a tocar as músicas), o filme pinta um retrato tocante de seu protagonista – e a performance de Riley, que recaptura perfeitamente os trejeitos de Curtis ao dançar e seu olhar quase em transe ao cantar, torna-se mais do que uma simples imitação ao ilustrar, também, a angústia do sujeito. Prendendo-se ao silêncio de uma criança acuada ao ser confrontado por qualquer um, Ian parece jamais ter sido feliz, mas o grau de sua tristeza certamente se acentua à medida que ele se torna mais famoso, aumentando a pressão que sente sofrer por parte de todos que o cercam. Mas, mais do que isso, é seu pavor da epilepsia e a consciência de não ter controle sobre o próprio cérebro que o atormentam – e o sentimento de não ter controle sobre si mesmo é o que finalmente o conduz ao seu lamentável e trágico ato final.

 

O passado faz parte do meu futuro”, diz Curtis no início de Control. E é esta sua fria e impecável percepção de já ter construído seu legado que torna ainda mais terrível a constatação de que, se tivesse perseverado um pouco mais em seu esforço para viver, este seu legado maravilhoso poderia estar sendo construído até hoje.

 

24 de Maio de 2008

Comente esta crítica em nosso fórum e troque idéias com outros leitores! Clique aqui!

Pablo Villaça, 18 de setembro de 1974, é um crítico cinematográfico brasileiro. É editor do site Cinema em Cena, que criou em 1997, o mais antigo site de cinema no Brasil. Trabalha analisando filmes desde 1994 e colaborou em periódicos nacionais como MovieStar, Sci-Fi News, Sci-Fi Cinema, Replicante e SET. Também é professor de Linguagem e Crítica Cinematográficas.

 

Para dar uma nota para este filme, você precisa estar logado!