Seja bem-vindx!
Acessar - Registrar

Críticas por Pablo Villaça

Datas de Estreia: Nota:
Brasil Exterior Crítico Usuários
03/04/2003 01/01/1970 2 / 5 3 / 5
Distribuidora

Encontro de Amor
Maid in Manhattan

Dirigido por Wayne Wang. Com: Jennifer Lopez, Ralph Fiennes, Stanley Tucci, Natasha Richardson, Tyler Posey, Amy Sedaris, Marissa Matrone e Bob Hoskins.

Concebida pelo francês Charles Perrault ainda no século 17, a fábula de Cinderela ganhou sua primeira adaptação para as telonas em 1898, com o curta britânico Cinderella and the Fairy Godmother. Desde então, a história da Gata Borralheira que se apaixona por um Príncipe Encantado já deu origem a mais de cem produções (da animação à pornografia), tornando-se a trama mais refilmada da história do Cinema. No entanto, se você acha que Hollywood já se cansou do tema, basta conferir este novo Encontro de Amor, que tenta utilizar o clássico de Perrault como veículo para a estrela Jennifer Lopez.

Escrito por Kevin Wade, o roteiro desta produção emprega uma nova `roupagem` concebida por John Hughes (que se tornou célebre ao comandar várias comédias adolescentes durante a década de 80, e que se encontra afastado das câmeras desde 1991): aqui, Lopez interpreta Marisa Ventura, uma camareira que trabalha em um hotel de luxo situado em Nova York. Divorciada e mãe de um garoto, a moça sonha em ser promovida a subgerente e, graças ao apoio de suas colegas, passa a ser considerada para a função. Certo dia, porém, Marisa entra em apuros ao experimentar as caríssimas roupas de uma das hóspedes do hotel, já que é surpreendida pelo candidato a senador Christopher Marshall: encantado com a beleza da garota, ele a convida para sair, sem saber que sua nova paixão é, na verdade, uma simples funcionária do estabelecimento. Enquanto tenta evitar que seus patrões descubram a confusão, Marisa se apaixona pelo político – que, por sua vez, fica perplexo ao ver uma total estranha morando no quarto que ele supunha pertencer à sua amada...

Apesar de contar uma história óbvia, Encontro de Amor leva um longo tempo até armar a situação que serve de centro para o filme: somente depois de uns bons 20 minutos é que os personagens de Lopez e Fiennes se conhecem de fato. E o que é pior: em vez de utilizar o primeiro ato para estabelecer a personalidade de seus protagonistas, Wade (e o diretor Wayne Wang) introduz uma subtrama completamente dispensável sobre o ex-marido de Marisa, que jamais aparece nos compromissos assumidos com o filho (mais tarde, o tal ex-marido é simplesmente esquecido, jamais voltando a ser mencionado pelo roteiro). Além disso, o filme (como vem se tornando praxe no gênero `comédia romântica`) se sente na obrigação de criar algumas cenas dramáticas que sirvam de contraponto para a leveza do tema e, com isso, bombardeia o espectador com um discurso desgastado, superficial e gratuito sobre `diferença de classes` - algo que em momento algum havia sido apresentado como problema real para o casal principal. E o que dizer do súbito (e falso) conflito entre Marisa e sua mãe?

E já que citei o fato de Encontro de Amor tentar se vender como `comédia romântica` (o que pode ser comprovado na péssima seqüência em que as camareiras dançam e cantam para a câmera e em outros momentos em que o filme tenta arrancar risos da platéia), é bom salientar que não há, ao longo dos 105 minutos de projeção, uma única piada que funcione. O romance entre Marisa e Christopher até que funciona em alguns momentos (e os minutos iniciais, que abordam o funcionamento de um hotel 5 estrelas, também é interessante), mas, como comédia, esta produção é um fracasso retumbante. Para piorar, Wang acaba sucumbindo a todos os clichês imagináveis, chegando ao ponto de empregar a velha montagem em que vemos a mocinha experimentando várias roupas para seu encontro com o amado.

Aparecendo pela primeira vez em uma comédia desde que estreou no Cinema, Ralph Fiennes comprova seu carisma e confere dignidade a Christopher – até mesmo no momento em que é obrigado a dizer uma fala como `Meu rosto ficou grudado no seu traseiro`. Por outro lado, ao exagerar no desinteresse de seu personagem pelo dia-a-dia da política, o ator transmite a impressão de que o sujeito não tem a menor vontade (nem a vocação) de se tornar senador, agindo como marionete para seu Partido. Enquanto isso, Jennifer Lopez, apesar de bela, mostra-se apática e nada divertida, demonstrando que as atuais rainhas do gênero ainda são Meg Ryan e Sandra Bullock. Fechando o elenco, vem Bob Hoskins, que faz um belo trabalho como o mordomo Lionel Bloch – que, aliás, é o personagem mais interessante do filme.

Contando com um desfecho forçado e formulaico, Encontro de Amor ainda consegue a proeza de pecar no campo ideológico: além de Fiennes interpretar um candidato Republicano, o filho da personagem de Jennifer Lopez é retratado como um `fã de Richard Nixon` (!) e, no clímax da história, um imenso microfone da Fox News (do reacionário Rupert Murdoch, que a utiliza para fazer propaganda de guerra) aparece na tela.

Funcionando (ainda que rasteiramente) como um romancezinho água-com-açúcar, Encontro de Amor pode até ser um passatempo inofensivo, mas certamente você encontrará opções melhores em sua locadora.
``

20 de Abril de 2003

Pablo Villaça, 18 de setembro de 1974, é um crítico cinematográfico brasileiro. É editor do site Cinema em Cena, que criou em 1997, o mais antigo site de cinema no Brasil. Trabalha analisando filmes desde 1994 e colaborou em periódicos nacionais como MovieStar, Sci-Fi News, Sci-Fi Cinema, Replicante e SET. Também é professor de Linguagem e Crítica Cinematográficas.

 

Para dar uma nota para este filme, você precisa estar logado!