Seja bem-vindx!
Acessar - Registrar

Críticas por Pablo Villaça

Datas de Estreia: Nota:
Brasil Exterior Crítico Usuários
20/03/2002 01/01/1970 5 / 5 5 / 5
Distribuidora

Os Excêntricos Tenenbaums
The Royal Tenenbaums

Dirigido por Wes Anderson. Com: Gene Hackman, Anjelica Huston, Gwyneth Paltrow, Ben Stiller, Luke Wilson, Owen Wilson, Danny Glover, Seymour Cassel, Kumar Pallana, Bill Murray e Alec Baldwin (narração).

Os Excêntricos Tenenbaums é um filme, no mínimo, estranho. Todos os personagens da história são pessoas com graves problemas de relacionamento e muitos deles vivem constantemente deprimidos – e, mesmo assim, o espectador consegue achar graça do que acontece ao longo da projeção. É claro que, em alguns momentos, nós não sabemos direito se devemos rir ou chorar depois de ouvirmos certos diálogos , mas esse é o charme do filme. Na falta de um definição melhor, eu classificaria Os Excêntricos Tenenbaums como uma `comédia melancólica`.

Dirigido por Wes Anderson, responsável pelo ótimo Três É Demais, este filme conta a história de Royal Tenenbaum (Hackman), o patriarca de uma família problemática que, depois de ficar afastado durante vários anos, resolve reconquistar os três filhos e a ex-esposa (Huston), que está prestes a se casar com o contador que a acompanha há tempos (Glover). Habituado a agir de forma pouco ética, já que é um trapaceiro incorrigível, Royal apela para várias mentiras enquanto tenta alcançar seu objetivo. Porém, ele encontra uma resistência maior do que esperava, já que seus três filhos estão mais preocupados com seus próprios dilemas: Chas (Stiller) se tornou um homem obcecado com a segurança de seus dois filhos depois de perder a esposa; Margot (Paltrow) esconde diversos segredos de seus parentes e até mesmo de seu marido; e Richie (Luke Wilson) é consumido por seu amor secreto por Margot, que, na verdade, é sua irmã adotiva.

O roteiro, escrito por Anderson e por seu amigo Owen Wilson (irmão de Luke), demonstra extremo cuidado ao desenvolver seus personagens desde o primeiro momento da projeção, já que a própria apresentação do elenco nos créditos iniciais se encarrega de ilustrar rapidamente o perfil de cada um. Além disso, é interessante observar que a história narrada em Os Excêntricos Tenenbaums é situada em uma espécie de `dimensão paralela`, e não no mundo `real` (observe, por exemplo, que todos os táxis que aparecem ao longo da trama estão em péssimas condições e pertencem à mesma empresa, uma certa `Gypsy Cabs`).

Outra curiosidade com relação ao roteiro reside em sua estrutura narrativa, que se divide em capítulos, como se o espectador estivesse lendo um livro – algo que ilustra um subtema presente em toda a história, já que praticamente todos os personagens do filme já publicaram suas próprias obras (o que reflete com perfeição o fato de que estamos lidando com pessoas cheias de opiniões próprias e contumazes, o que dificulta ainda mais seus relacionamentos). Para finalizar, eu jamais poderia deixar de mencionar o brilhantismo dos diálogos concebidos pelos roteiristas, que produzem piadas discretas e elegantes – como na cena em que Royal discute com o noivo de sua ex-esposa e o manda sair de sua casa, o que dá origem ao seguinte diálogo:

- Esta não é sua casa!

- Ora, não discuta semântica comigo!

Trabalhando com um elenco talentoso que merece nossa admiração (Hackman deveria ter sido indicado ao Oscar!), o cineasta Wes Anderson aproveita para conferir ao filme seu estilo inconfundível, abusando de movimentos de câmera atípicos e mudanças na velocidade de exposição do negativo em meio a diversas tomadas (o que cria efeitos de câmera lenta inesperados). Além disso, ele compõe seus quadros de maneira cuidadosa, aproveitando a própria disposição dos atores na tela para contar a história: observe, por exemplo, como Gwyneth Paltrow freqüentemente aparece ao fundo e no canto do cenário, numa manifestação física de seu isolamento emocional. Aliás, também gostei particularmente da forma como o diretor não teme encarar seus atores nos olhos, já que os personagens constantemente aparecem no centro do quadro e olhando diretamente para a câmera, como se enfrentassem orgulhosamente o exame feito pelo espectador.

Outro aspecto fascinante de Os Excêntricos Tenenbaums reside em sua direção de arte, algo que inclui a concepção dos cenários e dos objetos de cena espalhados pelos vários ambientes vistos no filme: assim, aprendemos muito sobre Eli (Owen Wilson) simplesmente ao observamos os quadros pendurados em sua sala e suas pilhas de filmes pornográficos (o mesmo pode ser dito sobre a residência dos Tenenbaums, já que cada quarto possui um visual que reflete a personalidade de seu dono). Ah, sim: e a trilha sonora da produção não é apenas agradável, mas também ajuda a compor o clima de melancolia e humor sobre o qual falei anteriormente.

Infelizmente, é possível que algumas pessoas não gostem de Os Excêntricos Tenenbaums justamente em função desta confusão de sentimentos que a história pode gerar (aliás, o próprio Royal é capaz de despertar reações conflitantes no espectador, já que sua simpatia é constantemente acompanhada por seu péssimo caráter, que o leva a tratar sua filha adotiva com uma crueldade que seria abominável, caso não rendesse boas gargalhadas). De todo modo, espero sinceramente que esta comédia se saia bem nas bilheterias brasileiras, pois é uma produção divertida, bem realizada e com um elenco invejável. E quem disse que um filme deve pertencer a um gênero bem definido para ser bom?
``

16 de Março de 2002

Pablo Villaça, 18 de setembro de 1974, é um crítico cinematográfico brasileiro. É editor do site Cinema em Cena, que criou em 1997, o mais antigo site de cinema no Brasil. Trabalha analisando filmes desde 1994 e colaborou em periódicos nacionais como MovieStar, Sci-Fi News, Sci-Fi Cinema, Replicante e SET. Também é professor de Linguagem e Crítica Cinematográficas.

 

Para dar uma nota para este filme, você precisa estar logado!