Seja bem-vindx!
Acessar - Registrar

Festival de Berlim 2024 - Dia #06 Festivais e Mostras

A cobertura da 74a. edição do Festival de Berlim é apoiada por leitores do Cinema em Cena (via apoio Pix: [email protected]) e também pela plataforma de educação Casa do Saber, que além disso se tornou parceira do site na série Cenas em Detalhes produzida para nosso canal no YouTube. Aliás, não deixe de conferir o desconto imperdível nas inscrições na plataforma que pode ser obtido usando o cupom CENASEMDETALHES! Para maiores informações sobre como usá-lo, basta clicar aqui

Dia 06

19) Reclamar das gerações anteriores e posteriores à nossa é uma prática amplamente adotada por integrantes de quase todos os espectros ideológicos: os mais velhos são uns irresponsáveis que destruíram nossas possibilidades futuras; os mais jovens são preguiçosos e mal-agradecidos demais para que consigam compreender e valorizar todos os sacrifícios que fizemos por eles. Todos já ouvimos versões destas frases (geralmente direcionadas a apenas um lado por vez, claro) partindo de indivíduos com 20, 50 ou 80 anos. Ora, em algum momento estou certo de ter sido um deles e de que voltarei a ser.

No entanto, se formos realmente objetivos em nosso propósito de atribuir os papéis de culpados e vítimas, é difícil negar que infelizmente estamos entregando aos mais jovens um planeta em condições consideravelmente piores do que aquelas em que o recebemos – e quando penso no mundo no qual meus filhos envelhecerão (percebam que nem estou pensando em netos), é difícil evitar certo desespero. Alterações climáticas extremas levando a desastres naturais recorrentes, falta de água e escassez de comida já seriam legados terríveis, mas ainda estamos conseguindo a proeza de permitir o retorno e a propagação do pensamento fascista, da intolerância (seja esta vestida de xenofobia, homofobia, transfobia, racismo ou misoginia) e da lógica da guerra. Até genocídios transmitidos em tempo real, com amplos registros documentais nas redes sociais, são respondidos com um “mas vejam bem...” que ao menos desfaz o questionamento das gerações pós-Segunda Guerra sobre como o Holocausto foi possível.

Saber/reconhecer tudo isso é algo que torna Langue Étrangère ainda mais tocante.

Dirigido por Claire Burger a partir de um roteiro co-escrito por Léa Mysius, o filme acompanha a adolescente francesa Fanny (Lilith Grasmug) em sua viagem para passar um mês na casa de uma amiga virtual, a alemã Lena (Josefa Heinsius). Iniciando com passos trôpegos, já que a ideia partiu mais de Susanne (Nina Hoss), mãe de Ellie, do que da garota (os pais de Fanny pagaram pela hospedagem), as duas jovens parecem destinadas a trinta dias infernais até que a informação de que a visitante sofre bullying na escola e havia tentado suicídio comove a outra, que suaviza sua posição. E este passa a ser, em essência, a dinâmica entre as duas: Fanny descrevendo todas as complicações de sua jovem existência e Lena buscando apoiá-la emocionalmente de algum modo.

Interpretada por Heinsius como uma jovem de olhar cansado demais para a própria idade, Lena é uma daquelas pessoas que parecem já ter nascido carregando nas costas o peso do mundo, assumindo a responsabilidade por todos à sua volta mesmo quando o inverso deveria estar ocorrendo. Preocupada com a instabilidade emocional da mãe desde que esta se divorciou de seu padrasto (o que além de tudo trouxe dificuldades financeiras para o cotidiano da família), a garota não poderia ser mais diferente de Fanny, cujos modos infantis, somados à sua expressão sempre fragilizada, sugerem uma personalidade vulnerável a qualquer uma das inúmeras pancadas que nos aguardam a cada esquina – e sua forma de lidar com isto acaba por aumentar seus problemas exponencialmente.

Algo, porém, as amigas têm em comum: relações problemáticas com as mães, mesmo que por motivos distintos. Enquanto Hoss projeta certa imaturidade emocional (que se agrava com a bebida), a Antonia interpretada por Chiara Mastroianni se apresenta como uma figura séria e centrada, mas que não parece extrair muito prazer da vida, optando também por fechar os olhos para determinadas questões a fim de não ser forçada a lidar com estas. Já as figuras paternas desapontam por outras razões - infidelidade ou intolerância – que seus comportamentos calorosos podem tentar disfarçar, mas sem muito sucesso.

Com isso, retornarmos à Lena, a única personagem de Língua Estrangeira que parece estar razoavelmente à vontade na própria pele e saber que tipo de pessoa quer ser, agindo para fazer jus a esta aspiração. Demonstrando integridade ao jamais sacrificar seus princípios, ela incorpora também o peso das gerações alemãs pós-guerra em seu sentimento de responsabilidade histórica – o que significa não apenas compreender a imagem negativa que o país ainda tem para muitos, mas lutar para que esta impressão jamais volte a corresponder à realidade, o que a faz se opor ostensivamente, por exemplo, ao avô eleitor da AfD, partido da extrema-direita alemã.

Sim, é uma pena que as jovens gerações tenham que se preocupar com política tão precocemente, mas esta é uma alternativa melhor do que deixar que as mais antigas (incluindo a minha) sigam destruindo seu futuro com tanta impunidade.

20) Co-produção entre Brasil, Taiwan, Argentina e Alemanha, Dormir de Olhos Abertos é um filme cujas origens multinacionais estão no centro temático de sua narrativa, que lida em boa parte com a ideia do imigrante que perde seu lugar no mundo por não conseguir mais se identificar totalmente com seu país de origem e por não ter permissão de se sentir como cidadão “real” do país que adotou como residência – uma perspectiva que a própria diretora alemã Nele Wohlatz compreende bem por ter morado mais de dez anos em Buenos Aires.

Aqui, no entanto, os imigrantes são chineses e taiwaneses e o país de escolha, o Brasil: escrito pela cineasta ao lado de Pío Longo, o longa tem início quando Kai (Liao Kai Ro), prestes a embarcar numa viagem de férias para Recife ao lado do namorado, recebe uma mensagem deste encerrando o relacionamento. Agora sozinha na capital pernambucana, a taiwanesa conhece o chinês Fu Ang (Wang Shin-Hong), que abriu uma loja de guarda-chuvas contando com tempestades que jamais chegam – e quando este deixa o espaço, Kai encontra apenas uma série de cartões postais nos quais uma amiga do sujeito, Xiao Xin (Chen Xiao Xin), registrou várias passagens de sua experiência no país enquanto morava com a tia em um prédio de classe média alta à beira da praia, convivendo com os funcionários desta (que, numa mistura da cultura do “quarto de empregada” brasileiro e dos sweatshops chineses, dividiam um pequeno quarto no apartamento).

Construído a partir da observação do cotidiano dessas pessoas, de suas dificuldades de adaptação, do racismo que enfrentam e do apoio que oferecem umas às outras, o filme não investe em uma trama estabelecida, mas no drama e no humor que surgem de situações que vão do prosaico (uma discussão sobre culinária brasileira e particularidades da língua portuguesa) ao extremo (como uma melancia atirada de um apartamento ou a hostilidade de dois vizinhos fantasiados de marinheiros no Carnaval). No processo, Wohlatz cria uma proximidade notável entre o espectador e seus personagens, levando-nos a vivenciar suas dificuldades e permitindo que enxerguemos o país a partir de uma ótica distinta e pouco lisonjeira – e a decisão de não incluir personagens brasileiros (com exceção de dois ou três, todos com curta participação) é instrumental neste propósito, incluindo, claro, uma que recita o hit “é como se fosse da família” ao mencionar a funcionária que trabalha em sua casa.

Por outro lado, a estrutura da narrativa acaba sacrificando um pouco o envolvimento do público com Kai, que domina o primeiro ato graças à performance divertida e carismática de sua intérprete e que de repente some durante boa parte da projeção enquanto descobrimos as histórias vividas por Xiao Xin, que, ainda que também vivida por uma atriz eficiente, é introspectiva demais para atrair o mesmo tipo de afeto despertado por Kai e por Fu Ang.

Produzido por Emilie Lesclaux e Kleber Mendonça Filho, Dormir de Olhos Abertos é um filme que divide sua sensibilidade com O Som ao Redor e Aquarius – e não consigo pensar em um elogio maior para este belo trabalho de Nele Wohlatz.

21 de Fevereiro de 2024

Sobre o autor:

Pablo Villaça, 18 de setembro de 1974, é um crítico cinematográfico brasileiro. É editor do site Cinema em Cena, que criou em 1997, o mais antigo site de cinema no Brasil. Trabalha analisando filmes desde 1994 e colaborou em periódicos nacionais como MovieStar, Sci-Fi News, Sci-Fi Cinema, Replicante e SET. Também é professor de Linguagem e Crítica Cinematográficas.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Você também pode gostar de...

Festivais e Mostras
Festival de Berlim 2024 - Dia #11 (e último)
Festivais e Mostras
Festival de Berlim 2023 - Dia #08
Festivais e Mostras
Festival de Berlim 2016 - Dia 03