Seja bem-vindx!
Acessar - Registrar

Críticas por Pablo Villaça

Datas de Estreia: Nota:
Brasil Exterior Crítico Usuários
14/06/2013 01/01/1970 5 / 5 / 5
Distribuidora
Imovision

A Memória Que Me Contam
A Memória Que Me Contam

Dirigido por Lúcia Murat. Com: Ireve Ravache, Simone Spoladore, Clarisse Abujamra, Hamilton Vaz Pereira, Miguel Thiré, Patrick Sampaio, Naruna Kaplan de Macedo, Otávio Augusto, Franco Nero, Zécarlos Machado, Fernando Bezerra, Babu Santana.

Embora a Comissão da Verdade seja uma boa (mas ainda frágil) iniciativa, é inexplicável que o Brasil, quase 30 anos depois do fim da ditadura, ainda não tenha feito um esforço real para apurar os crimes cometidos pelos militares durante aquele período pavoroso de nossa história recente, punindo-os exemplarmente. Ao contrário do que alguns oficiais covardes já na reserva insistem em dizer, não se trata de “revanchismo” (mesmo porque a “revanche” já foi conquistada nas urnas), mas de justiça e de cicatrização de feridas que insistem em sangrar. Não é à toa que tantos jovens no Brasil mostram um viés perigosamente reacionário, apontando a luta revolucionária como “terrorismo” (termo usado, vejam só, pela Ditadura), já que, ao contrário do que ocorreu em países-irmãos como Chile e Argentina, que dividiram aquelas barbaridades conosco, os militares brasileiros que assassinaram centenas de jovens friamente (muitos deles já presos) jamais foram expostos e punidos, o que cria uma atmosfera de inocência (ou apenas de “danos colaterais da guerra”) injusta e perigosa. Isto para não mencionarmos a importância do processo para a cicatrização emocional e psicológica de toda uma geração – algo que a cineasta Lúcia Murat trata com sensibilidade ímpar neste seu belíssimo A Memória que me Contam.

Escrito por Murat ao lado de Tatiana Salem Levy, o longa é uma homenagem aberta à ex-guerrilheira Vera Sílvia Magalhães, que aqui ganha o nome de Ana e move a narrativa ao entrar em coma em função de uma série de problemas de saúde. Levada a rememorar a juventude revolucionária ao lado da amiga, a cineasta vivida por Irene Ravache passa a manter conversas imaginárias com a versão jovem de Ana (Spoladore) enquanto, ao lado de vários ex-companheiros, visita o hospital no qual a adoentada mulher se encontra. Enquanto isso, o filho da protagonista, o artista plástico Duda (Thiré), prepara uma nova instalação e volta a se encontrar com Chloe (Macedo), uma amiga de infância que também teve em Ana a figura de uma tia excêntrica, problemática, mas sempre divertida.

Claramente funcionando também como um exercício terapêutico para Murat, A Memória que me Contam representa uma narrativa quase metalinguística em sua abordagem das lembranças da(s) cineasta(s) - a real e a imaginária. Em certo momento, por exemplo, ao trazer Irene Ravache comparando uma foto de Simone Spoladore à de sua personagem na juventude, a diretora parece representar a própria busca por uma atriz que pudesse encarnar a amiga Vera no longa, como se procurasse um avatar da versão jovem da companheira que, por sua vez, lhe permitisse um reencontro e um abraço terapêutico – mesmo que este abraço, por sua vez, fosse dado por sua própria versão cinematográfica vivida por Ravache. Da mesma maneira, é fascinante observar como Spoladore, graças aos figurinos e à fotografia de Guillermo Nieto, surge sempre em um tom sépia, como se fosse uma polaroide ambulante que representasse, com sua própria figura, a nostalgia de um tempo de luta que, mesmo dolorido, trazia sonhos libertários e utópicos que indicavam uma ingenuidade há muito perdida.

Marcada pelas barbaridades sofridas na ditadura (algo que, com dor - mas orgulho -, vejo em minha própria família, que inclui torturados pelo regime), Ana é, ao seu próprio modo, uma figura tão marcada quanto o Frei Tito homenageado pelo excepcional Batismo de Sangue de Helvécio Ratton: alguém que perdeu nos porões da Ditadura a capacidade de enxergar o mundo com inocência ou, no mínimo, sem ansiedade – e, assim, é perfeito que Murat só exiba a versão jovem de Ana, deixando sua carcaça desiludida e envelhecida fora de campo e apropriadamente na UTI, transformando a figura bela e jovial de Spoladore num fantasma que representa, assim, todos os mortos (física ou psicologicamente) da ditadura.

Trazendo um elenco que não conta com um único elo frágil e no qual se destacam a excelente Ravache, a evocativa Spoladore e os jovens Miguel Thiré e Naruna Kaplan de Macedo, A Memória que me Contam só soa como ficção absurda quando traz jornalistas cobrando do Ministro da Justiça um posicionamento rápido sobre a abertura dos arquivos da ditadura – já que, na realidade, o único momento no qual a velha mídia se interessou de fato pelo assunto foi ao buscar elementos no passado de nossa atual presidenta que pudessem prejudicá-la durante sua campanha (basta lembrarmos da ficha falsa publicada pelo maior jornal do país, a Foxlha de São Paulo). Além disso, do ponto de vista técnico o longa fascina também pelo seu magnífico desenho de som, que muitas vezes traz sussurros do passado (“Somos revolucionários!”) ecoando nos atos presentes, e pela montagem fluida que ilustra a interação da jovem Ana com seus companheiros agora envelhecidos de maneira brilhante.

Homenagem não só à Vera Sílvia, mas a todos que enfrentaram a ditadura e foram por ela destruídos, A Memória que me Contam é uma pequena obra-prima que toca não só por seus méritos artísticos, mas também políticos. “Eu estou sobrevivendo a mim mesma”, diz Ana em certo momento, reconhecendo sua dificuldade em permanecer viva e funcional após as barbaridades sofridas. Pois este filme representa um bem-vindo abraço de conforto em todos que dividem com ela este sentimento.

22 de Outubro de 2012

Pablo Villaça, 18 de setembro de 1974, é um crítico cinematográfico brasileiro. É editor do site Cinema em Cena, que criou em 1997, o mais antigo site de cinema no Brasil. Trabalha analisando filmes desde 1994 e colaborou em periódicos nacionais como MovieStar, Sci-Fi News, Sci-Fi Cinema, Replicante e SET. Também é professor de Linguagem e Crítica Cinematográficas.

 

Para dar uma nota para este filme, você precisa estar logado!