Seja bem-vindx!
Acessar - Registrar

Críticas por Pablo Villaça

Datas de Estreia: Nota:
Brasil Exterior Crítico Usuários
27/03/1998 17/10/1997 3 / 5 3 / 5
Distribuidora
Duração do filme
100 minuto(s)

Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado
I Know What You Did Last Summer

Dirigido por Jim Gillespie. Com: Sarah Michelle Gellar, Jennifer Love Hewitt, Freddie Prinze Jr., Ryan Phillippe, Muse Watson, Anne Heche, Johnny Galecki.

Kevin Williamson parece realmente empenhado em resgatar o gênero `terror`. Depois do sucesso de Pânico, Williamson escreveu o roteiro deste Eu Sei... a partir de um livro de Lois Duncan. E, mais uma vez, o sucesso foi absoluto.


Mas não se deixe enganar. Em comum, os dois filmes só tem duas coisas: um assassino misterioso que insiste em matar principalmente adolescentes; e mocinhas bonitas e corajosas que passam a enfrentá-lo. Na verdade, praticamente todos os filmes de terror têm pelo menos um desses elementos. Só que em Pânico Williamson foi inteligente ao tratar destes clichês de forma debochada, usando-os para construir a história do filme.

Em Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado, não. Williamson usa e abusa dos clichês como se tivesse esquecido completamente a crítica velada que havia feito no filme anterior. Assim, o filme se tornou uma sucessão de situações mais do que batidas sem a vantagem de serem apresentadas em `roupagem` nova. Julie, Helen, Barry e Ray são quatro amigos que estão se vendo pela última vez no verão. Depois das férias, Helen vai para Nova York, a fim de tentar uma carreira como atriz; Julie vai para a faculdade; e os rapazes também tentarão a sorte em outros lugares. No entanto, na última noite de farra, eles atropelam um desconhecido e, temerosos de acabarem presos (havia bebida alcóolica derramada por todo o carro), decidem dar um sumiço no cadáver.

Um ano se passa. As vidas dos quatro amigos estão completamente alteradas, marcadas pela lembrança do que fizeram. É quando Julie volta para casa, nas férias, e recebe uma carta anônima que diz, apenas, Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado. A partir daí, os quatro amigos passam a ser perseguidos por uma estranha figura vestida com uma capa-de-chuva e armada com um gancho.

Apesar de Pânico ter uma história mais interessante, Eu Sei... acaba assustando mais o espectador. Isso se deve à direção de Gillespie, que usa e abusa das cenas comuns ao gênero (a mocinha que anda de costas e, quando se vira, dá de cara com o assassino; a infalível seqüência na qual a câmera segue a mocinha como se fosse o assassino e, então, descobrimos que se trata de uma pessoa totalmente inofensiva; e assim por diante).

A direção de arte é um ponto interessante: observem como a casa de Julie é toda pintada em tons de marrom, criando um clima opressivo, triste. Aliás, todas as casas deste filme têm um certo ar sombrio que ajuda a criar o clima para os sustos que se seguirão. No entanto, o roteiro de Williamson, desta vez, é o ponto fraco: a quantidade de `buracos` no roteiro é uma coisa impressionante. Só um exemplo: o assassino jamais teria tempo de esvaziar o porta-malas de Julie antes que esta trouxesse os amigos para verificar o que havia ali... Além disso, o final (calma, não vou revelar nada) é, no mínimo, decepcionante. O(a) assassino(a) deste filme é um dos mais fracos que já vi em filmes de terror.

No final das contas, Eu Sei... é apenas mais um terrorzinho no qual um assassino persegue um bando de `mocinhas peitudas que sobem as escadas de casa quando deveriam, na verdade, fugir pela porta da frente` (vejam a ironia: esta frase está no excelente roteiro de Pânico. Williamson parece ter esquecido a lição.). Porém, numa época em que filmes de terror são cada vez mais raros, este exemplar solitário tinha mesmo que fazer sucesso. No entanto, se estivéssemos há 10, 15 anos atrás, quando não faltavam filmes do gênero, Eu Sei... seria apenas um entre muitos. Talvez fosse até meio `apagadinho`.

Enquanto Pânico se torna ainda mais interessante quando visto pela segunda vez, Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado com certeza não sobrevive a uma segunda visita. O ponto forte do primeiro é o calcanhar de Aquiles do segundo: em ambos os casos, o roteiro de Kevin Williamson.

30 de Março de 1998

Pablo Villaça, 18 de setembro de 1974, é um crítico cinematográfico brasileiro. É editor do site Cinema em Cena, que criou em 1997, o mais antigo site de cinema no Brasil. Trabalha analisando filmes desde 1994 e colaborou em periódicos nacionais como MovieStar, Sci-Fi News, Sci-Fi Cinema, Replicante e SET. Também é professor de Linguagem e Crítica Cinematográficas.

 

Para dar uma nota para este filme, você precisa estar logado!