Seja bem-vindx!
Acessar - Registrar

95 - Oscar 2020: Previsões Conversa de Cinéfilo

Amigos do Cinema em Cena,

quase desde que o site começou, há mais de 22 anos, publico minhas previsões para o Oscar. Em alguns anos, com maior animação; em outros, com menor. Ano passado, por exemplo, foi pavoroso – a única coisa pior do que as indicações foram os vencedores. Green Book?! Rami Malek?!?! Bohemian Rhapsody como Melhor Montagem? Que porra de dimensão paralela do terror foi aquela em que caímos? (Ah, lembrei: a que tem Bolsonaro e Trump como presidentes. Entendo agora.)

Como de hábito, lembro que este não é um artigo sobre os que julgo “melhores”, mas sobre os que considero “favoritos”, o que são duas coisas completamente distintas (escrevi há algum tempo sobre a verdadeira natureza do Oscar e por que é bobagem encará-lo como sinônimo de qualidade artística).

Então vamos às previsões.

FILME

Vai vencer: 1917 (com uma chance de Parasita).

Explicando a escolha: 1917 é o candidato com momentum: começou a ser exibido apenas no fim do ano, às vésperas das premiações, e permaneceu fresco na mente de todos, começando a colecionar troféus. Se ano passado os prêmios precursores se dividiram entre vários candidatos, neste quase tudo ficou com 1917, incluindo PGA e o DGA, que são dois dos que costumam ter maior peso (o PGA raramente erra). Por outro lado, Parasita provocou um impacto considerável, já que é dificílimo um filme de língua não-inglesa ser indicado às premiações das guilds – algo que o trabalho de Bong Joon-ho conseguiu. Meu instinto me diz que Parasita vai vencer, mas as estatísticas – e o voto preferencial, que prejudica filmes que dividem opiniões (e Parasita certamente divide mais do que 1917) me levam a apostar no primeiro.

Qual seria meu voto: O Irlandês (mas Parasita estaria na segunda posição na cédula; 1917, na última).

Surpresa que me agradaria: Adoráveis Mulheres ou Era uma Vez... em Hollywood.

Se ganhar, eu mato um: Depois que Green Book venceu, não posso reclamar dos indicados esse ano – nenhum é ruim daquele jeito.

 

DIRETOR

Vai vencer: Sam Mendes.

Explicando a escolha: Mais uma vez o instinto grita que a Academia vai dividir Filme e Diretor, resultando em Parasita/Sam Mendes ou 1917/Bong Joon-ho. Mas novamente sou obrigado a reconhecer o peso das estatísticas – e Mendes venceu não só o DGA, mas o BAFTA.

Qual seria meu voto: Martin Scorsese, O Irlandês

Surpresa que me agradaria: Bong Joon-ho, por Parasita, ou Tarantino.

Se ganhar, eu mato um: Todd Phillips ou Sam Mendes (o que significa que alguém morrerá).

 

 

ATRIZ

Vai vencer: Renée Zellweger, por Judy.

Explicando a escolha: Precisa? Ela venceu tudo até agora. A única possibilidade de perder o Oscar seria um reconhecimento ao fato de Scarlett Johansson ter sido duplamente indicada, já que não consigo acreditar que irão negar o voto a Laura Dern como coadjuvante.

Qual seria meu voto: Scarlett Johansson, por História de um Casamento.

Surpresa que não me desagradaria: Saoirse Ronan, por Adoráveis Mulheres.

 

 

ATOR

Vai vencer: Joaquin Phoenix, por Coringa.

Explicando a escolha: Ver justificativa sobre Zellweger. Com a diferença que aqui não consigo enxergar qualquer possibilidade de outro resultado.

Qual seria meu voto: Antonio Banderas, por Dor e Glória.

Surpresa que não me desagradaria: Adam Driver, por História de um Casamento.

 

 

ATRIZ COADJUVANTE

Vai vencer: Laura Dern.

Explicando a escolha: Venceu precursores importantes, é uma veterana querida na indústria e um sentimento generalizado de que é o seu momento. Além disso, como História de um Casamento não vencerá em muitas categorias, esta é a oportunidade de reconhecer o filme de Noah Baumbach.

Qual seria meu voto: Laura Dern, por História de um Casamento.

Surpresa que não me desagradaria: Florence Pugh, por Adoráveis Mulheres.

 

 

ATOR COADJUVANTE

Vai vencer: Brad Pitt, por Era uma Vez... em Hollywood.

Explicando a escolha: Para mim, esta é a única categoria que não se encontra 100% confirmada, apenas 95%. Brad Pitt venceu os principais precursores, fez uma campanha intensa durante a votação, é um ator querido e está muito bem em um filme que agradou. No entanto, Joe Pesci e Al Pacino são dois veteranos que não ganham uma indicação há anos – ou décadas. E não é possível que O Irlandês sairá de mãos vazias da cerimônia.

Qual seria meu voto: Joe Pesci. (Gosto de Al Pacino na mesma medida, mas Pesci provavelmente não terá outra oportunidade, já que voltou à aposentadoria.)

Surpresa que não me desagradaria: Qualquer um dos cinco indicados merece o troféu. Eu ficarei feliz com qualquer resultado.

 

 

ROTEIRO ADAPTADO

Vai vencer: Jojo Rabbit.

Explicando a escolha: Taika Waititi venceu o BAFTA e, mais importante, o WGA. Fez discursos brilhantes em ambos e seu filme é popular.

Qual seria meu voto: O Irlandês.

Surpresa que não me desagradaria: Adoráveis Mulheres.

Se vencer, eu mato um: Coringa, cujo roteiro é uma bagunça temática e, como apontei na crítica, soa como um adolescente alienado querendo discutir política.

 

ROTEIRO ORIGINAL

Vai vencer: Parasita.

Explicando a escolha: Venceu o WGA (um feito colossal para um filme em língua não-inglesa) e há admiração pela trama intrincada mesmo de quem não gostou muito do resultado final. O único que tem chance de derrotar Parasita nesta categoria é Tarantino.

Qual seria meu voto: Parasita

Surpresa que não me desagradaria: Entre Facas e Segredos.

Se vencer, eu mato um: 1917, que tem um roteiro embaraçosamente simplório.

 

FILME ESTRANGEIRO

Vai vencer: Parasita.

Explicando a escolha: Sempre que um filme recebe dupla indicação, sendo lembrado na categoria principal e na de Estrangeiro, isto o prejudica lá e ajuda aqui. Se Parasita fosse garantido como Melhor Filme, creio que muitos votariam em Dor e Glória para dividir os prêmios, mas como não há esta certeza...

Qual seria meu voto: Parasita, mesmo amando Dor e Glória e Honeyland.

 

 

ANIMAÇÃO

Vai vencer: Toy Story 4.

Explicando a escolha: Nunca aposte contra a Pixar.

Qual seria meu voto: Klaus.

Surpresa que me agradaria: Perdi meu Corpo.

 

 

FOTOGRAFIA

Vai vencer: 1917.

Explicando a escolha: Venceu o BAFTA, o prêmio de sua guild (ASC) e se você obrigasse os admiradores do filme a escolherem o grande responsável por seu sucesso narrativo, aposto que mais pessoas mencionariam Roger Deakins do que Sam Mendes.

Qual seria meu voto: O Farol.

Surpresa que não me desagradaria: Era uma Vez... em Hollywood ou O Irlandês.

Se vencer, eu mato um: 1917, embora Deakins seja meu diretor de fotografia favorito da atualidade. Ou seja: é garantido que mais uma pessoa morrerá.

 

 

DESIGN DE PRODUÇÃO

Vai vencer: Era uma Vez... em Hollywood.

Explicando a escolha: Não creio que a Academia permitirá que o filme de Tarantino volte para casa apenas com o troféu de Brad Pitt. Eu poderia mencionar que ele também ganhou o prêmio de sua guild (ADG), mas a verdade é que isto não faz diferença.

Qual seria meu voto: Parasita (estão brincando? As casas das duas famílias foram projetadas do zero!).

Surpresa que não me desagradaria: O Irlandês

Se vencer, eu mato um: Nah, são todos muito bons.

 

FIGURINO

Vai vencer: Adoráveis Mulheres.

Explicando a escolha: Provavelmente será seu único prêmio.

Qual seria meu voto: Adoráveis Mulheres.

Surpresa que não me desagradaria: O Irlandês

Se vencer, eu mato um: Coringa (não é ruim, mas... o que tem de mais?)

 

 

MONTAGEM

Vai vencer: Ford vs Ferrari.

Explicando a escolha: Caso Parasita comece a vencer de lavada (o que não acontecerá), este é um prêmio que certamente coletará – especialmente por ter levado o de sua guild (ACE). No entanto, além de vencer o BAFTA, Ford vs Ferrari tem, na montagem de suas corridas, o ponto que sustenta a narrativa. Aliás, este é um filme que depende pesadamente da montagem e do som para funcionar – e esta é a categoria na qual tem realmente a chance de ser reconhecido.

Qual seria meu voto: Parasita.

Surpresa que não me desagradaria: O Irlandês.

Se vencer, eu mato um: Bohemian Rhapsody. Eu sei que foi ano passado, mas o ódio permanece.

 

MAQUIAGEM

Vai vencer: O Escândalo.

Explicando a escolha: Eles transformaram Charlize Theron em Megyn Kelly!

Qual seria meu voto: O Escândalo.

Se vencer, eu mato um: Coringa. Por favor, né? A magreza de Joaquin Phoenix fez praticamente todo o trabalho!

 

TRILHA SONORA

Vai vencer: Coringa.

Explicando a escolha: Venceu BAFTA, BFCA, um prêmio especial em Veneza e é uma das poucas categorias nas quais ninguém tem dúvida alguma quanto ao resultado.

Qual seria meu voto: Coringa.

Surpresa que me agradaria: Adoráveis Mulheres.

 

CANÇÃO ORIGINAL

Vai vencer: Rocketman.

Explicando a escolha: Aqui há uma disputa pesada entre Rocketman e Harriet, mas a Academia vai negar um Oscar a Elton John por uma música original composta para sua própria cinebiografia?!

Qual seria meu voto: “Stand Up”, de Harriet.

Se vencer, eu mato um: “Into the Unknown”, de Frozen 2. Não é nem a melhor música do filme, imagina do ano. (Amo “All Is Found”.)

 

 

SOM

Vai vencer: Ford vs Ferrari.

Explicando a escolha: Tanto aqui quanto em Edição de Efeitos Sonoros, creio que a disputa está entre Ford vs Ferrari e 1917. É até possível que cada um vença em uma categoria, mas vou arriscar ambos em Ford vs Ferrari.

Qual seria meu voto: Ford vs Ferrari.

Surpresa que me agradaria: Era uma Vez... em Hollywood.

 

 

EDIÇÃO DE EFEITOS SONOROS

Vai vencer: Ford vs Ferrari.

Explicando a escolha: Ver categoria anterior.

Qual seria meu voto: Ford vs Ferrari.

Surpresa que me agradaria: Era uma Vez... em Hollywood.

 

 

EFEITOS VISUAIS

Vai vencer: 1917.

Explicando a escolha: Não apenas foram essenciais para convencer o espectador de que estava assistindo a um plano-sequência (e o filme não foi rodado assim) como complementa a escala do espaço percorrido pelo protagonista e das dificuldades que enfrenta.

Qual seria meu voto: 1917 (viram? Não sou tão radical assim.)

Surpresa que me agradaria: O Irlandês.

 

 

DOCUMENTÁRIO

Vai vencer: Indústria Americana.

Explicando a escolha: É o mais fraco dos cinco, mas também o único que lida com um tema diretamente ligado aos Estados Unidos, país natal da maioria dos membros da Academia. Sim, Honeyland foi indicado também como Estrangeiro, Para Sama venceu muitos prêmios precursores e Democracia em Vertigem contou com a ajuda do governo Bolsonaro, que, ao perseguir Petra e o filme, parecia quase ter sido contratado para divulgar a importância do projeto. Mas nenhum desses (ou A Caverna) se passa nos Estados Unidos.

Qual seria meu voto: Sério? Preciso respondemocracia em Vertigem.

Surpresa que me agradaria: A Caverna (além de gostar muito, este é o único que realmente seria uma surpresa).

Se vencer, eu mato um: Indústria Americana. Em uma categoria com quatro filmes maravilhosos, é revoltante que o único mais fraco vença.

 

CURTA LIVE ACTION

Vai vencer: The Neighbors’ Window.

Explicando a escolha: Basicamente pela mesma razão de Indústria Americana: é o único essencialmente norte-americano.

Qual seria meu voto: The Neighbors’ Window (e também o que me agradou mais, embora eu tenha gostado bastante de Brotherhood e Nefta Football Club).

Se vencer, eu mato um: Uma Irmã.

 

CURTA DOCUMENTÁRIO

Vai vencer: Learning to Skateboard in a Warzone (If You’re a Girl)

Explicando a escolha: Lida com um tema pesado, mas com leveza, sendo mais inspirador do que desesperador.

Qual seria meu voto: Learning to Skateboard.

Surpresa que me agradaria: Into the Absence.

Se vencer, eu mato um: Walk Run Cha-Cha.

 

CURTA ANIMAÇÃO

Vai vencer: Hair Love.

Explicando a escolha: É uma produção norte-americana, não exige grande reflexão, deixa o espectador se sentindo bem e permite que os membros da Academia se sintam bem consigo mesmos por votarem em um filme que representa minorias. (Sim, isso conta e muito.)

Qual seria meu voto: Mémorable, que é uma obra-prima.

Se vencer, eu mato um: Qualquer um que não seja Mémorable.

 

Lembrando que comentarei a cerimônia ao vivo a partir das 22h aqui. No entanto, a partir das 21h15 farei uma live exclusiva para os apoiadores do Cinema em Cena a fim de discutir os favoritos, as esnobadas, curiosidades, etc. Para se tornar um apoiador, clique aqui! (Depois, vá na aba “Novidades” e terá acesso aos posts exclusivos para os colaboradores e na qual se encontra o link da live!)

Minhas críticas sobre os longas que concorrem estão listadas aqui e aquelas sobre os curtas (todos os 15) estão aqui!

Um grande abraço e bom Oscar!

08 de Fevereiro de 2020

Sobre o autor:

Pablo Villaça, 18 de setembro de 1974, é um crítico cinematográfico brasileiro. É editor do site Cinema em Cena, que criou em 1997, o mais antigo site de cinema no Brasil. Trabalha analisando filmes desde 1994 e colaborou em periódicos nacionais como MovieStar, Sci-Fi News, Sci-Fi Cinema, Replicante e SET. Também é professor de Linguagem e Crítica Cinematográficas.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Você também pode gostar de...

Conversa de Cinéfilo
31 - 2003 em Números e Estrelas
Conversa de Cinéfilo
91 - Fase Nova, Cara Nova
Conversa de Cinéfilo
17 - 2001 em Números e Estrelas